Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 22 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Campeonato brasileiro

Alterada em 22/10 às 20h29min

Sob clima tenso, Santos supera Atlético-GO e volta a vencer no Brasileirão

O Santos deu um passo para afastar a turbulência neste domingo (22). Em jogo com seu pior público como mandante no Campeonato Brasileiro e protestos da torcida, o time encerrou a série de três empates no torneio nacional ao derrotar o Atlético Goianiense por 1 a 0, em partida válida pela 30ª rodada, na Vila Belmiro, mesmo sem grande atuação.
O triunfo levou o Santos aos 53 pontos, em terceiro lugar no Brasileirão, atrás do segundo colocado Palmeiras pelos critérios de desempate e do líder Corinthians, que soma 59 e vai enfrentar, presssionado pelas vitórias dos rivais, nesta segunda o Botafogo. Mas, mais importante, a expectativa é para que o resultado dê mais tranquilidade ao técnico Levir Culpi, que quase foi demitido na última sexta-feira. Já o lanterna Atlético-GO segue rumo ao rebaixamento, com apenas 26 pontos.
Na próxima rodada do Brasileirão, no sábado, o Santos fará clássico contra o São Paulo, no estádio do Pacaembu. No dia seguinte, o Atlético-GO visitará o Vitória no Barradão. Na vazia Vila Belmiro e com protestos dos 4.245 torcedores no estádio, o Santos fez um bom início de jogo. O time adiantava a marcação e avançava com perigo pelas laterais, com Zeca e Jean Mota, mesmo que ambos tenham sido escalados fora das suas posições de origem.
Foi em um lance com a participação de ambos, inclusive, que o Santos quase abriu o placar aos 11 minutos. Jean Mota fez o cruzamento cortado pela zaga adversária. A bola, então, ficou com Zeca, que lançou Serginho. O meia cruzou, mas ninguém finalizou. A bola, então, sobrou para Jean Mota cruzar novamente. Dessa vez, Copete, livre, finalizou, mas fraco. Assim, facilitou a defesa do goleiro Marcos e manteve o seu jejum de quase três meses sem marcar um gol.
O problema é que, mesmo com o domínio, o Santos atuava em ritmo lento, o que o levava a correr riscos. No principal delas na etapa inicial, aos 26 minutos, o time se livrou de levar um gol em tiro livre indireto, após Lucas Veríssimo recuar bola para Vanderlei. Na cobrança, porém, Copete cortou a finalização de Walter.
Ainda assim, mesmo sem empolgar, o Santos marcou o seu gol aos 30 minutos, quando Lucas Lima cobrou escanteio e Ricardo Oliveira cabeceou para as redes, fazendo o seu quarto gol nos últimos cinco jogos do Santos.
Em vantagem, então, o Santos recuou e levou sustos em finalizações de fora da área no fim do primeiro tempo, sendo que em uma delas Andrigo acertou o travessão. Mas o time conseguiu ir ao intervalo em vantagem, mesmo que não tenha escapado dos protestos da torcida.
O começo do segundo tempo foi movimentado, pois o Atlético-GO tentou sair mais para o ataque para tentar reverter o placar desfavorável. O Santos, por sua vez, não recuou e teve suas chances de marcar, a principal delas em um chute de Jean Mota que acertou a trave.
Preocupado em não ceder espaços ao Atlético-GO, Levir promoveu a entrada de Renato, recuperado de lesão, no lugar de Serginho, deixando o Santos com três volantes em campo. A partir daí, o time controlou o jogo. E ainda que sem muito brilho, assegurou a vitória sem levar muitos sustos, também garantindo alguns dias de paz.
Santos 1 x 0 Atlético-GO
Vanderlei; Zeca, Lucas Verissimo, David Braz e Jean Mota; Alison (Yuri), Matheus Jesus, Lucas Lima e Serginho (Renato); Copete (Lucas Crispim) e Ricardo Oliveir. Técnico: Levir Culpi.
Marcos; Jonathan (Ronaldo), William Alves, Gilvan e Bruno Pacheco; André Castro (Diego Rosa), Paulinho, Jorginho, Luiz Fernando (Igor) e Andrigo; Walter. Técnico: João Paulo Sanches.
Árbitro: Péricles Bassols Pegado Cortez (PE).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia