Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 19 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Esportes

CORRIGIR

Campeonato Brasileiro

Alterada em 19/10 às 12h11min

Após jogo com o Corinthians, Heber diz que pode processar presidente do Grêmio

Em entrevista dada para a ESPN, Romildo Bolzan opinou sobre o desempenho do árbitro na partida

Em entrevista dada para a ESPN, Romildo Bolzan opinou sobre o desempenho do árbitro na partida


Rodrigo Rodrigues/GRÊMIO FBPA/Divulgação/JC
O árbitro Heber Roberto de Lopes, de 45 anos, disse após o jogo entre Corinthians e Grêmio que estuda a possibilidade de processar o presidente do clube gaúcho, Romildo Bolzan Júnior, por ter sido chamado de "vagabundo". Visivelmente chateado, o juiz afirmou que tirou um fardo das costas após sua boa atuação na partida, que terminou empatado por 0 a 0, no Itaquerão, e foi válido pelo Campeonato Brasileiro.
"Foi um fardo que tiramos, mas a vida segue. Fim de semana tem rodada, arbitragem sempre está em um momento difícil, mas temos pessoas que nos dão suporte. Graças a Deus eu tenho uma experiência no futebol que proporcionou que eu ficasse tranquilo, e os jogadores também colaboraram. Muitos jogadores na partida questionando, mas vida que segue. Obrigado pela oportunidade de falar também, e vamos seguir a vida", comentou o árbitro.
Heber contou que conversou com a Comissão Nacional de Arbitragem antes da partida para saber o que poderia ser feito. "Tenho que me atentar ao que foi dito. A comissão nacional de arbitragem pediu para que eu me concentrasse apenas no jogo. Vamos procurar nos inteirar do que foi dito, a maneira, com quais palavras... vamos estudar e tomar uma decisão. Nesse momento, qualquer coisa que eu falar aqui é muito precoce. Depois vamos tomar uma maneira mais correta", completou.
Segundo Heber, o quarto árbitro da partida - Johnny Barros de Oliveira - é seu advogado e foi quem sugeriu que ele desse entrevista após o jogo no Itaquerão. "Ele pediu para que eu fosse tranquilo nas entrevistas, porque temos responsabilidade naquilo que falamos. Procurei separar, sei que é difícil, porque temos familiares. Nós que estamos no futebol absorvemos de uma maneira e os familiares de uma maneira diferente", contou.
Após a partida, Romildo confirmou o teor da entrevista dada para a ESPN e opinou sobre o desempenho do árbitro na partida. "O Heber foi excepcionalmente bem. Ele foi discreto e teve um bom diagnóstico. Isso serve para a arbitragem, mas as situações de antes nos faziam alegar dúvidas e suspeições".
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia