Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de outubro de 2017. Atualizado às 17h10.

Jornal do Comércio

Esportes

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 06/10 às 17h10min

Petróleo fecha em forte queda, com possibilidade de tempestade chegar a refino

Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte queda nesta sexta-feira, com os investidores acompanhando o possível impacto que a tempestade tropical Nate pode causar na atividade de refino no Golfo do México, fazendo os estoques de petróleo aumentarem.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para novembro fechou em baixa de 2,95%, a US$ 49,29 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o barril do petróleo tipo Brent para dezembro recuou 2,42%, a US$ 55,62. Na semana, o WTI perdeu 4,60% e o Brent, 2,06%.
"À medida que chegamos no fim de semana, o mercado está focado nas implicações da tempestade tropical Nate e sobre quão grandes podem ser as interrupções" na produção e na capacidade de refino, disse o analista da consultoria Energy Aspects Richard Mallinson.
Assim como aconteceu com o furacão Harvey em agosto, a "tendência é que o foco seja mais sobre os desligamentos das refinarias, o que provavelmente é mais positivo para os preços da gasolina e, provavelmente, um pouco baixista para os preços do petróleo", afirmou Mallinson.
Prevê-se que a tempestade se fortaleça e se torne um furacão neste sábado, ameaçando o Golfo no fim de semana, de acordo com o Centro Nacional de Furacões dos EUA. Desde quinta-feira, cerca de 15% da produção de petróleo do Golfo e mais de 6% da produção de gás natural foi fechada enquanto a região se prepara para o Nate, de acordo com o governo americano.
Além disso, os preços do petróleo devolveram os ganhos do dia anterior, enquanto o rei saudita Salman e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, discutiram a extensão da participação de Moscou no acordo para reduzir a produção global de petróleo.
"A reunião histórica estimulou as expectativas de que os dois protagonistas do pacto de abastecimento irão avançar em uma extensão até o fim de 2018", comentou o analista da corretora PVM Oil Associated Stephen Brennock. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia