Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 31 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 01/11/2017. Alterada em 31/10 às 21h04min

Confiança da indústria aumenta 2,6 pontos em outubro, diz FGV

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) subiu 2,6 pontos em outubro, para 95,4 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira. Este é o maior patamar desde abril de 2014 (97,0 pontos).
"Um sinal de que a retomada de crescimento do setor vem ganhando consistência é a expressiva melhora das avaliações sobre a situação presente nos últimos meses", diz em nota Tabi Thuler Santos, coordenadora da Sondagem da Indústria do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV). Segundo Tabi, os indicadores da pesquisa aproximam-se aos poucos de suas médias históricas, à exceção do Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci).
Este indicador inicia o quarto trimestre apenas 0,1 ponto percentual (p.p.) acima da média do trimestre anterior (74,2%). Em outubro ante setembro, o Nuci avançou 0,4 p.p., para 74,3%. "O Nuci continua muito baixo e com perspectivas incertas, uma vez que o cenário é de recuperação lenta e sujeita aos riscos do ambiente político", pondera Tabi na nota.
Segundo a coordenadora da Sondagem da Indústria, a principal contribuição para o avanço da confiança foi o Índice da Situação Atual (ISA), que subiu 4,9 pontos, para 95,5 pontos. Houve avanço em 14 dos 19 segmentos. Quanto às expectativas, a evolução foi menos expressiva e mais concentrada. O Índice de Expectativas (IE) subiu 0,3 ponto, para 95,2 pontos, com alta em sete dos 19 segmentos.
No ISA, a parcela de empresas que consideram a situação dos negócios como boa subiu de 10,9% para 14,6% do total, enquanto a parcela das que a consideram fraca caiu de 29,3% para 21,5% do total. Já no Índice de Expectativas, o indicador de produção previsto para os três meses seguintes foi responsável pela evolução do IE em outubro, que subiu 2,7 pontos, para 96,8 pontos, o único entre os componentes do IE a avançar no mês.
A edição de outubro de 2017 do ICI coletou informações de 1.129 empresas entre os dias 2 e 27 deste mês. A próxima divulgação desse indicador será no dia 30 de novembro, sendo que a prévia do resultado será publicada no site do Ibre no dia 24 de novembro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia