Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 30/10 às 10h28min

Em sessão volátil, petróleo Brent se mantém acima de US$ 60 por barril

Os futuros de petróleo operam em leve alta, mas exibem certa volatilidade nesta manhã (30), depois de o Brent ter ultrapassado a marca psicológica de US$ 60 por barril na sessão anterior, o que não acontecia há mais de dois anos.
Às 10h15min (de Brasília), o Brent para janeiro subia 0,35% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 60,65 por barril, enquanto o WTI para dezembro tinha alta de 0,20% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 54,01 por barril.
A commodity é sustentada por expectativas de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e dez produtores que não pertencem ao grupo acabarão estendendo o atual acordo que reduz a oferta conjunta em 1,8 milhão de barris por dia.
O pacto começou em janeiro e acaba em março de 2018, mas especula-se que poderá ser prorrogado até o fim do ano que vem. Autoridades da Arábia Saudita, líder informal da Opep, e da Rússia, maior produtor fora do cartel, têm demonstrado disposição de estender o acordo.
No fim de semana, o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, reiterou o desejo de prorrogar o acordo até dezembro de 2018.
O petróleo também tem sido beneficiado por riscos de oferta, em parte por causa de um conflito na região iraquiana do Curdistão, que é rica em petróleo. No fim de setembro, os curdos votaram pela independência do território num polêmico plebiscito que ampliou as tensões com o governo central e levou à interrupção de parte do fornecimento local de petróleo. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia