Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 28 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

tecnologia

28/10/2017 - 16h04min. Alterada em 28/10 às 16h05min

Dono da Amazon ganha US$ 10 bilhões em um dia e vira mais rico do mundo

Folhapress
O patrimônio do americano Jeff Bezos, 53, aumentou US$ 10,3 bilhões na sexta-feira (27), depois da disparada das ações da Amazon (empresa que comanda), e ele voltou a ser o homem mais rico do mundo. Segundo a revista "Forbes", o presidente-executivo da gigante do varejo agora tem uma fortuna de US$ 93,1 bilhões, ultrapassando com certa folga o segundo colocado: Bill Gates, dono de US$ 90 bilhões.
O crescimento do patrimônio de Bezos foi resultado do aumento de 13% nas ações da Amazon na sexta-feira. Os investidores ficaram animados com as vendas da empresa no terceiro trimestre, quando cresceram 34%, somando US$ 43,7 bilhões.
O curioso é que Bezos chegou a ser o homem mais rico do mundo em julho, mas a liderança durou poucas horas. A explicação: as ações da Amazon caíram, depois que investidores ficaram desanimados com o lucro da empresa. Na época, ele também foi ultrapassado por Gates.
O patrimônio de Bezos está principalmente em ações de sua companhia -ele mantém 17% do total. O criador da Amazon também é dono do jornal "Washington Post" e da companhia Blue Origin, de exploração espacial.
Recentemente, a Amazon estreou a venda de eletrônicos em seu site no Brasil. A troca na liderança entre Gates e Bezos não foi a única neste ano. Em agosto, o fundador da Microsoft foi ultrapassado pelo espanhol Amancio Ortega, criador da Zara.
A queda de Gates, na ocasião, aconteceu porque havia sido revelado que ele doou em junho 64 milhões de ações da Microsoft à Fundação Bill e Melinda Gates. Na ocasião, os papéis eram avaliados em US$ 4,6 bilhões.
Desde 1994, o casal Gates já doou cerca de US$ 35 bilhões em ações e dinheiro.
O brasileiro mais rico da lista da "Forbes" é Jorge Paulo Lemann, 78, com US$ 30,7 bilhões (24º no mundo), seguido por Joseph Safra, 78, com US$ 22 bilhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia