Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 27 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 27/10 às 18h21min

Petróleo fecha em alta e Brent ultrapassa US$ 60 pela primeira vez desde 2015

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta sexta-feira (27), com o barril do tipo Brent ultrapassando a marca de US$ 60 pela primeira vez desde julho de 2015. A alta foi provocada por especulações a respeito da possibilidade de extensão do acordo de corte na produção dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).
O petróleo WTI para dezembro, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex), fechou em alta de 2,39%, a US$ 53,90 por barril. Já o Brent para janeiro, que se tornou o contrato mais líquido nesta sexta-feira, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), subiu 1,84% e fechou a US$ 60,13 por barril.
Segundo a Capital Economics, um comentário do príncipe da Arábia Saudita favorável à continuidade do corte na produção da Opep durante todo o ano de 2018 estimulou o mercado. A redução, a princípio, vigora até março de 2018 e, caso se estenda, o mercado vislumbra um equilíbrio da oferta e demanda.
Além disso, nesta sexta-feira, uma conferência sobre óleo e gás que contou com a presença de diretores executivos de algumas das maiores empresas de energia rendeu especulações de que a Opep esteja inclinada e estender o corte na produção, anunciado em novembro do ano passado.
A próxima reunião da Opep está marcada para o dia 30 de novembro, em Viena.
Hoje também foi anunciada a atualização da contagem de poços e plataformas de petróleo em atividade nos Estados Unidos, que subiu apenas 1 em relação à semana passada, de acordo com a consultoria Baker Hughes. O dado fez o petróleo desacelerar um pouco, mas o fôlego logo foi retomado.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia