Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 27 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Indústria Automotiva

Alterada em 27/10 às 08h19min

Volkswagen tem forte queda no lucro do 3º trimestre, mas receita cresce

A Volkswagen divulgou hoje (27) forte queda nos ganhos do terceiro trimestre, uma vez que seu desempenho continua sendo afetado por custos relacionados ao caso do software de teste de emissões fraudulento.
Entre julho e setembro, o lucro líquido da montadora alemã ficou em 1,06 bilhão de euros (US$ 1,25 bilhão), representando menos da metade do ganho de 2,28 bilhões de euros apurado em igual período do ano passado.
Por outro lado, a receita da Volkswagen cresceu 5,8% na mesma comparação, a 55 bilhões de euros, enquanto o lucro operacional antes de itens extraordinários avançou 15%, a 4,32 bilhões de euros.
Num escândalo que teve início nos EUA, a Volkswagen revelou, no fim de 2015, que cerca de 11 milhões de seus veículos em todo o mundo estavam equipados com um dispositivo que lhes permitia fraudar testes de emissões de poluentes. Apenas no último trimestre, a empresa registrou despesas de 2,6 bilhões de euros ligadas ao caso.
O diretor financeiro da Volkswagen, Frank Witter, demonstrou otimismo em relação ao resultado do ano, mas ressaltou que a questão do software fraudulento "está longe de acabar e continuará exigindo grandes esforços" da montadora.
A Volkswagen elevou sua projeção de margem operacional para 2017, que deverá ficar um pouco acima da faixa anteriormente prevista de 6% a 7%.
Por volta das 5h50min (de Brasília), a ação da Volkswagen operava em alta de 2% na Bolsa de Frankfurt. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia