Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Notícia da edição impressa de 27/10/2017. Alterada em 26/10 às 23h04min

Relator da reforma trabalhista critica magistrados por oposição

O deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN), que foi relator da reforma trabalhista no Congresso Nacional, criticou magistrados que declararam oposição às mudanças. Em encontro no início do mês, a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) aprovou 125 enunciados, que são interpretações de pontos da reforma trabalhista com recomendações de como os juízes devem julgá-los.
Algumas questões foram inclusive consideradas inconstitucionais pela associação, e houve a orientação de julgá-las de forma diferente da prevista na reforma. "Não é democrático que uma associação promova cartilhas ensinando a descumprir a lei. Me parece uma desobediência civil, um claro processo de sabotagem. Não me parece correto do ponto de vista da Constituição", afirmou, durante seminário promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).
O deputado disse ainda acreditar que a grande maioria da magistratura vá cumprir a lei e que a minoria será vencida pelo "bom senso". "Não é papel de juiz elaborar lei, e sim julgar a lei de acordo com o que foi elaborado pelo Legislativo", completou.
Marinho defendeu que o governo envie um projeto de lei com pedido de urgência - e não uma Medida Provisória (MP) - para ajustar pontos da reforma prometidos pelo presidente Michel Temer.
Na tramitação no Senado, Temer acordou com a base que mandaria uma MP com alterações em pontos como o trabalho de gestantes em locais insalubres e a jornada intermitente. "Minha posição é que o presidente tem que cumprir a palavra dele. Eu advogo que ele envie um projeto com pedido de urgência, porque uma MP corre o risco de abrir toda a discussão novamente", afirmou, após participar do promovido pela CNI.
Para o deputado, no entanto, o projeto não deverá retomar a contribuição sindical obrigatória, extinta na reforma trabalhista. "Não há nenhum clima para que se restaure a contribuição sindical obrigatória no Congresso Nacional. Caso tramite um texto nesse sentido, ele não será aprovado", afirmou.
De acordo com o deputado, as alterações ainda estão sendo discutidas pelo governo e um projeto ou MP só será enviado depois de a reforma entrar em vigor, no dia 11 de novembro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia