Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Alterada em 26/10 às 10h48min

Produção da indústria química cresce 5,44% no 3º trimestre, diz Abiquim

No terceiro trimestre de 2017, a produção de produtos químicos cresceu 5,44%, as vendas internas tiveram crescimento de 12,63% e a demanda interna, medida pelo consumo aparente nacional (CAN), subiu 8,7%. Segundo a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), o dados relativos a produção, vendas e demanda por produtos químicos de uso industrial no terceiro trimestre, principalmente por conta da base fraca de comparação, corroboram a expectativa de retomada da economia.
As importações também cresceram. Entre julho e setembro de 2017, a alta foi de 17% sobre o trimestre imediatamente anterior. No período de janeiro a setembro, as compras externas de produtos químicos aumentaram 27,9%, ocupando 37,8% da demanda nacional desses produtos, o maior índice já registrado desde o início da série.
As exportações ficaram praticamente estáveis na comparação com igual período do ano passado (+0,2%). O índice de produção cresceu 0,54% e o de vendas internas teve recuo de 1,22%.
A taxa de utilização da capacidade instalada ficou em 78% entre janeiro e setembro, dois pontos abaixo da média do ano passado, e a demanda (CAN) cresceu 7,1% sobre os mesmos meses do ano passado.
Por sua vez, o índice de preços de julho a setembro apresentou deflação nominal de 3,97%, sobre a média de preços praticadas entre abril e maio deste ano.
"O desempenho internacional dos preços dos produtos químicos vem sendo afetado sobretudo pelo recuo da cotação do barril do petróleo e do gás natural no mercado internacional e também pela modificação da estrutura de suprimento de químicos no mundo, com a liderança maior dos Estados Unidos, que antes eram grandes importadores de produtos químicos e hoje estão se tornando cada vez mais exportadores", explica a Abiquim por meio de nota.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia