Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 25/10 às 19h34min

Dólar recua ante rivais em meio a dúvidas sobre reforma tributária de Trump

O dólar operou em queda ante outras moedas principais nesta quarta-feira, em meio a dúvidas quanto à unidade do Partido Republicano em torno da reforma tributária proposta pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
No fim da tarde em Nova Iorque, o dólar caía para 113,72 ienes e o euro avançava para US$ 1,1812, no dia anterior à decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE).
O mar de rosas em torno da reforma tributária nos EUA deu lugar a um cenário de incertezas nesta quarta-feira, após o deputado republicano Kevin Brady, do Texas, apontar alguns pontos de discórdia entre os congressistas do partido. A criação de uma quarta faixa de imposto para pessoas físicas é uma delas, ao ser defendida pelo presidente da Câmara, o republicano Paul Ryan, apesar de não haver um consenso em torno da questão entre os republicanos.
Outra questão a ser debatida é o plano de aposentadoria conhecido como 401(k). Brady, que é um dos autores do projeto da reforma tributária a ser apresentado na próxima semana, se recusou a excluir mudanças no plano. O movimento, no entanto, vai contra o desejo de Trump, que havia afirmado, em seu perfil no Twitter, na segunda-feira, que "não haverá mudanças no 401(k)". Na tarde desta quarta-feira, no entanto, Trump recuou e disse que está disposto a negociar o futuro do 401(k).
No Reino Unido, a libra esterlina exibiu forte alta durante todo a sessão apoiada pelo Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre do país, que cresceu 0,4% no período na comparação com os três meses anteriores. Analistas previam um crescimento um pouco menor, de 0,3%. Na comparação anual, a expansão foi de 1,5% no período. Com isso, crescem as expectativas pela elevação do juro básico pelo Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) em novembro. No fim da tarde, a libra saltava para US$ 1,3258.
Em solo mexicano, o banco central deu "alívio temporário" ao peso após a instituição informar que irá ampliar o programa de hedge cambial a partir de quinta-feira, ao ofertar mais US$ 4 bilhões nos leilões realizados até o fim do ano. Com isso, o dólar cedia a 19,0491 pesos mexicanos no fim da tarde.
Já o dólar canadense perdeu força após a decisão de política monetária do Banco do Canadá (BoC, na sigla em inglês), que manteve a taxa básica de juros inalterada em 1,00% e defendeu uma abordagem "cautelosa" em suas deliberações futuras. Com isso, a moeda americana era cotada a 1,2803 dólar canadense no fim da tarde desta quarta-feira. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia