Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 24/10 às 14h54min

Meirelles: Brasil volta ao normal com políticas econômica e monetária críveis

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que o Brasil está voltando ao normal em razão da execução de política econômica e monetária críveis. Meirelles participa de encontro com empresários franceses e brasileiros promovido pela Câmara de Comércio França-Brasil (CCIFB-SP). Durante o evento, o ministro apresentou dados de inflação, taxa de juros e desemprego.
Ao comentar o índice de situação financeira, o ministro afirmou que o indicador que leva em conta o mercado cambial, o risco país e taxas de juros é um sinalizador das condições financeiras do Brasil do ponto de vista de curto prazo. O ministro afirmou que o indicador mostra um retorno à normalidade e considerou que o Brasil vive um momento de recuperação da confiança
Ainda sobre o índice de situação financeira, Meirelles afirmou que houve uma leve piora durante dez dias no mês de maio, período que correspondeu ao início do noticiário sobre a delação de executivos da JBS. Meirelles considerou que a retomada do indicador após esse breve período é uma questão interessante a respeito do "famoso descolamento da economia e a política".
No evento, Meirelles afirmou que ele acredita que a votação da reforma da Previdência será na segunda quinzena de novembro. Sobre a reforma da Previdência, Meirelles afirmou que o debate é "difícil, complicado". Ele reforçou a importância da reforma, no entanto, ao comparar os gastos com a Previdência como porcentual do PIB no Brasil e em outros países do mundo com maior porcentual de idosos, como o Japão. "O Brasil tem uma população mais jovem e um gasto como porcentual do PIB superior, isso mostra que a situação não é sustentável", declarou.
Meirelles destacou ainda o déficit da Previdência, que ele descreveu como "muito grande e crescente". "O déficit da Previdência cresce (a um patamar) equivalente a 10% do PIB e isso é absolutamente insustentável", concluiu.
O ministro ainda fez comentários sobre a reforma trabalhista. Ele destacou a aprovação das novas regras e considerou que o "ritmo de aprovação tem sido muito forte, quase inédito na história do Brasil".
Meirelles disse que a alavancagem das empresas brasileiras diminuiu e está estabilizada num nível "historicamente sustentável".
O ministro considerou que essa redução de alavancagem é uma razão que explica que a retomada da economia não tenha se consolidado já no último trimestre do ano passado. "Estava havendo um processo de consolidação das dívidas, as empresas estavam se preparando para crescer", comentou Meirelles.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia