Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 24 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

24/10/2017 - 10h13min. Alterada em 24/10 às 10h14min

Juros futuros giram perto dos ajustes com cena política-fiscal no radar

As taxas de juros devolveram o viés de alta registrado mais cedo e oscilavam nesta terça-feira (24) ao redor dos níveis dos ajustes de segunda-feira, em meio a expectativas sobre o cenário político e fiscal.
A percepção no mercado em geral é de que é improvável uma grande mudança no regime previdenciário do Brasil, mesmo após eventual rejeição da segunda denúncia criminal contra o presidente da República, Michel Temer, pelo plenário da Câmara. Por isso, as taxas teriam começado a sessão em alta.
Alguns analistas do mercado apostam na possibilidade de uma proposta de reforma da Previdência "bem diluída" ser aprovada pelo Congresso neste ano, que contaria com idade mínima e regras de transição.
Já o parecer que defende o arquivamento da ação contra Temer será lido nesta terça no plenário e a votação está prevista para quarta-feira.
A perspectiva no governo é de que Temer conseguirá barrar a segunda denúncia contra ele, após comprometer cerca de R$ 12 bilhões com benesses exigidas por parlamentares para votarem a seu favor, conforme levantamento do jornal O Globo. Além disso, a desaceleração da queda do dólar ante o real é monitorada.
Às 9h57min, o DI para janeiro de 2019 estava a 7,27%, de 7,26% no ajuste de segunda-feira. O DI para janeiro de 2020 estava a 8,22%, igual ao ajuste anterior. E o DI para janeiro de 2021 estava a 8,92%, de 8,91% no ajuste de segunda.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia