Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Crédito

Notícia da edição impressa de 24/10/2017. Alterada em 23/10 às 21h28min

Demanda de empresas por financiamentos cai 7,3% em setembro ante agosto, diz Serasa

A demanda das empresas por crédito apresentou queda de 7,3% em setembro ante agosto e 4,3% na comparação com o mesmo mês do ano anterior, segundo o Indicador Serasa Experian de Demanda das Empresas por Crédito. No acumulado de janeiro a setembro, a demanda empresarial por crédito caiu 3,9% na comparação com o mesmo período de 2016.
O principal motivo da queda mensal, segundo os economistas da Serasa Experian, foi a menor quantidade de dias úteis (20 contra 23). "Se considerássemos a média diária (por dias úteis), a demanda das empresas por crédito teria avançado 6,7% em setembro, sinalizando que aos poucos, a procura das empresas por crédito começa a dar sinais de estabilização tendo em vista a retomada do crescimento da economia e a queda das taxas de juros", diz a empresa.
Por tamanho de empresa, em setembro a maior retração, de 7,4%, foi na demanda das micro e pequenas empresas; nas médias o indicador ficou em 4,5% e nas grandes, 2,2%. No acumulado de nove meses, os dados são respectivamente de 3,7%, 8,8% e 7,9% sobre o mesmo intervalo de 2016.
Por setor, serviços apresentou a maior queda mensal, de 8,9%, enquanto nas empresas comerciais a retração foi de 6,1% e nas indústrias, 5,2% na comparação com agosto. De janeiro a setembro, os percentuais de retração são 6,2% na indústria; 4,8% em comércio e 2,5% em serviços.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia