Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

TRABALHO

19/10/2017 - 17h48min. Alterada em 19/10 às 18h52min

Rio Grande do Sul fecha 278 vagas em setembro; SC e PR abrem mais de 10 mil

Brasil abriu 34.392 vagas de emprego formal em setembro, segundo o Caged

Brasil abriu 34.392 vagas de emprego formal em setembro, segundo o Caged


MATEUS BRUXEL/GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
O Rio Grande do Sul registrou fechamento de 278 vagas de emprego com carteira assinada em setembro deste ano, conforme o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quinta-feira (19) pelo Ministério do Trabalho. Segundo as informações, a Indústria de Transformação foi o setor que mais fechou vagas no período, com 3.167 a menos. Já a o Comércio registrou alta de 1.733 vagas.
Os dados gaúchos vão na contramão do resto da Região Sul, segunda região brasileira que mais abriu posições no mês passado, atrás apenas da Região Nordeste, que fechou o mês com abertura de 29.644 postos. Os vizinhos Paraná e Santa Catarina carregaram nas costas o bom resultado da Região Sul, com abertura de 2.801 e 8.011 vagas em setembro, totalizando 10.534 novos postos.
Também foi destaque o resultado da Região Norte (+5.349 postos). Já nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste houve redução de, respectivamente, 8.987 postos e 2.148 empregos.

Saldo de emprego formal tem sexta alta seguida no País em setembro

O Brasil abriu 34.392 vagas de emprego formal em setembro, o sexto aumento consecutivo no número de vagas com carteira assinada no País, segundo a pasta. Para meses de setembro, o resultado é o melhor desde 2014, decorrendo de 1.148.307 admissões e de 1.113.915 demissões. No acumulado do ano, houve abertura de 208.874 postos de trabalho com carteira assinada. Em 12 meses, ainda há um fechamento acumulado de 466.654 vagas.
O resultado mensal foi puxado pela indústria de transformação, que gerou sozinha 25.684 postos formais em setembro, e pelo setor de comércio, que abriu 15.040 novas vagas com carteira assinada. Em seguida, tiveram desempenhos positivos o setor de serviços (3.743 vagas) e a construção civil (380 postos).
Por outro lado, tiveram saldo negativo agropecuária (-8.372 postos), serviços industriais de utilidade pública (-1.246 postos), administração pública (-704 vagas) e extrativa mineral (-133 vagas).
O Caged foi positivo em 20 das 27 Unidades da Federação. O melhor resultado do mês foi de Pernambuco, que abriu 13.992 novos empregos. Por outro lado, Rio de Janeiro (-4.769 empregos), Minas Gerais (-4.291) e Goiás (-3.493) tiveram as maiores reduções no estoque de empregos em setembro.
Segundo o Caged, o salário médio de admissão em setembro de 2017 foi de R$ 1.478,52 e o salário médio de demissão foi de R$ 1.685,37. Em termos reais (deflacionado pelo INPC), no acumulado de 12 meses, os ganhos reais foram de R$ 78,27 (admissão) e R$ 59,50 (demissão). Com informações do Estadão Conteúdo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Grace da Luz 19/10/2017 21h36min
Essa é mais uma façanha do Rio Grande do Sul. Pernambuco teve o maior saldo do número de vagas por que o governador luta para melhorar a sua economia, principalmente a construção naval, e não faz como o governador gaúcho que quer entregar tudo que pode. Pura incompetência!