Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Serviços

Notícia da edição impressa de 19/10/2017. Alterada em 18/10 às 20h09min

Ministério da Fazenda reajusta tarifas dos Correios

O Ministério da Fazenda autorizou, pela segunda vez neste ano, o aumento das tarifas cobradas pelos Correios. Na edição de ontem do Diário Oficial da União, o governo autoriza o reajuste "sob forma de recomposição" das tarifas dos serviços postais e telegráficos nacionais e internacionais.
O reajuste ocorre em duas parcelas: a primeira, de 6,121%, será por prazo indeterminado e a segunda, de 4,094%, vai vigorar por 64 meses.
A revisão das tarifas ainda depende de publicação de aprovação pelo Ministério das Comunicações, de acordo com o Diário Oficial. Com o aumento, a carta comercial de até 20 gramas passará a custar R$ 1,83. Anteriormente, o valor era R$ 1,23.
Em abril, o Ministério da Fazenda havia autorizado aumento de 7,485% nas tarifas dos serviços postais e telegráficos prestados pelos Correios. Na época, a empresa explicou que os serviços da estatal são reajustados todos os anos, com base na recomposição dos custos, como aumento dos preços dos combustíveis, contratos de aluguel, transportes, vigilância, limpeza e salários dos empregados. As tarifas são atualizadas com base no Índice de Serviços Postais, indicador formado a partir de uma cesta de índices, como INPC, IPCA, e IGP-M.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia