Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 18 de outubro de 2017. Atualizado às 12h41.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 18/10 às 13h42min

Dyogo: previsão de alta do PIB de 0,7% pode ser confirmada ou até superada

O País pode crescer 0,7% este ano, como preveem os analistas, ou até mesmo superar esse desempenho, disse nesta quarta-feira, 18, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira. "Nossa projeção oficial ainda é de 0,5%, os analistas já esperam 0,7%, e essa expectativa (dos economistas) pode ser realizada ou até superada", afirmou, durante audiência pública no Tribunal de Contas da União (TCU).
O ministro citou uma série de indicadores como sinalizadores do processo de retomada do crescimento, como criação de empregos e o aumento no consumo das famílias e na produção industrial e agrícola. "A recuperação é um processo gradual, mas a recuperação é continuada", disse.
Oliveira lembrou ainda que a inflação teve intensa desaceleração nos últimos 12 meses, principalmente para famílias de baixa renda. "A queda da inflação permite que juros também caiam", disse o ministro. "O juro real tinha chegado a 8,5% e agora 3,2%, com tendência de continuar caindo", acrescentou.
Segundo o ministro, esse cenário abre caminho para recuperação do crédito, que será um dos principais motores de uma retomada "mais forte" da economia nos próximos anos.
Ao mesmo tempo, destacou Oliveira, os indicadores externos do País estão bastante consolidados, com bom saldo de reservas internacionais, balança comercial com superávit e ingresso de investimento estrangeiro direto.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia