Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de outubro de 2017. Atualizado às 19h11.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 17/10 às 20h14min

Dow Jones e S&P 500 renovam recordes, enquanto Netflix impõe teto ao Nasdaq

Os mercados acionários americanos adotaram direções distintas nesta terça-feira (17), com investidores digerindo balanços corporativos referentes ao terceiro trimestre deste ano A escolha do próximo presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) também foi monitorada pelo mercado, com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, devendo anunciar o escolhido em duas semanas.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,18%, aos 22.997,44 pontos; o S&P 500 avançou 0,07%, aos 2.559,36 pontos; e o Nasdaq caiu 0,01%, aos 6.623,66 pontos. Com isso, Dow Jones e S&P 500 renovaram novas máximas históricas de fechamento. No intraday, o Dow Jones chegou a ultrapassar, por alguns minutos, a marca psicologicamente importante dos 23 mil pontos.
Os resultados corporativos foram catalisadores dos movimentos díspares dos índices de ações americanos nesta terça-feira. "No fim do dia, os balanços continuarão a liderar o movimento dos mercados", disse o diretor de investimentos e gerente de portfólio do Westwood Holdings Group, Mark Freeman. Para ele, o pano de fundo, bem como as atitudes dos investidores, é a razão pela qual ele não está preocupado com o atual nível dos preços das ações. "Nas conversas que tenho com os clientes, não tem ninguém me dizendo sobre a euforia. Eu vejo isso como positivo "
Nesta terça-feira, a UnitedHealth apresentou um salto de 5,93%, ao informar que seu lucro subiu para US$ 2,485 bilhões no terceiro trimestre. Além disso, um acordo bipartidário de reforma na saúde nos EUA impulsionou papéis de outras seguradoras de saúde, como Aetna (+2,95%) e Cigna (+1,19%).
Já no setor de tecnologia, as ações da Netflix fecharam em baixa de 1,58%, em um movimento de realização de lucros, já que a companhia apresentou valorização superior a 60% neste ano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia