Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de outubro de 2017. Atualizado às 22h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 18/10/2017. Alterada em 17/10 às 23h41min

Custos de produção têm redução em setembro

Os preços dos agroquímicos foram responsáveis pela retomada da trajetória de queda nos custos de produção do agronegócio. A variação entre setembro e agosto de 2017 foi de -0,94%, conforme o Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP), divulgado pela assessoria econômica do Sistema Farsul ontem.
O acumulado do ano e dos últimos 12 meses também apontam deflação de -5,64% e -4,24%, respectivamente. Os menores valores dos fertilizantes, herbicidas e fungicidas influenciaram diretamente no resultado. A lavoura de trigo foi a que registrou maior queda, com -4,6%.
Já os preços pagos ao produtor apresentaram aumento de 1,60%, depois de resultado negativo em agosto. Apesar de uma retração significativa em muitos preços, especialmente arroz e leite, o bom desempenho do milho (5,24) e do frango (4,49%) garantiram o resultado positivo do Índice de Inflação dos Preços Recebidos pelo Produtor (IIPR).
Na comparação entre o IICP e IPCA alimentos, temos a desaceleração do primeiro, enquanto o segundo se mantém inflacionada. Já na relação entre IIPR e IPCA Alimentos, mais uma vez é comprovado não haver proximidade entre eles a curto prazo. Mas já há uma tendência de alinhamento em um período mais longo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia