Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 17 de outubro de 2017. Atualizado às 16h41.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

17/10/2017 - 17h32min. Alterada em 17/10 às 17h45min

Petróleo fecha em leve alta, com conflito no Curdistão e acordo nuclear do Irã

Os contratos futuros de petróleo fecharam em leve alta nesta terça-feira (17) com tensões geopolíticas no centro das atenções, com os investidores monitorando o conflito no Curdistão iraquiano e o acordo nuclear do Irã. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para novembro fechou em alta de 0,02%, aos US$ 51,88 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), o petróleo tipo Brent para dezembro avançou 0,10%, aos US$ 57,88 por barril.
O movimento de alta do petróleo registrado na segunda-feira continuou na manhã de terça, mas cedeu a um arrefecimento das tensões geopolíticas, com os investidores avaliando o possível impacto nos preços do óleo. Pouco antes do fechamento, porém, houve uma recuperação nos preços do petróleo, garantindo uma leve alta aos contratos futuros.
O conflito entre as forças iraquianas e as forças da região curda semi-autônoma do Iraque, na província rica em petróleo de Kirkuk, apoiaram um avanço nos preços na segunda-feira, mas alguns investidores e analistas afirmaram que a compra dos contratos de petróleo foi exagerada. Nesta terça-feira, o ministro de Petróleo do Iraque, Jabbar al-Luaibi, disse ao Wall Street Journal que a produção dos campos de petróleo iraquianos em Kirkuk estavam "funcionando normalmente".
A incerteza em relação a uma possível imposição de novas sanções contra o Irã por parte dos Estados Unidos também ajudou a elevar os preços do óleo cru, mas o vice-ministro de petróleo iraniano, Amir Zamaninia, afirmou que, mesmo se os EUA tirarem a certificação do acordo nuclear do Irã de 2015, isso não afetaria, de fato, a indústria petrolífera do país.
"O risco geopolítico que influenciou os preços durante o fim de semana está se revertendo", afirmou o sócio fundador da New Capital, John Kilduff.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia