Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 13 de outubro de 2017. Atualizado às 12h21.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Crédito

Alterada em 13/10 às 12h23min

Consultas para vendas a prazo crescem 3% na semana do Dia das Crianças

Este ano, os bonecos e bonecas ficaram entre os presentes mais procurados

Este ano, os bonecos e bonecas ficaram entre os presentes mais procurados


MARCO QUINTANA/JC
Agência Brasil
Em todo o país, as consultas para vendas a prazo entre os dias 5 e 11 de outubro, semana anterior ao Dia das Crianças, aumentaram 3% na comparação com 2016, segundo levantamento do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).
Os números foram divulgados hoje (13) em São Paulo. Este ano, os presentes mais procurados seriam os bonecos e bonecas (31%), roupas e calçados (22%), com o valor dos gastos girando em torno de R$ 194,00.
Segundo as duas entidades, este foi o primeiro crescimento após três anos consecutivos de retração e a primeira data comemorativa de 2017 com aumento expressivo: páscoa (+0,93%), Dia das Mães (-5,50%), Dia dos Namorados (-9,61%), Dia dos Pais (-2,18%). O Dia das Crianças é a segunda data mais lucrativa para o varejo no segundo semestre.
De acordo com os dados, no ano passado as vendas no Dia das Crianças haviam registrado uma variação negativa de -9,02%. Em anos anteriores, os resultados foram de -8,95% (2015), -1,50% (2014), +3,15% (2013), +4,83% (2012), +5,91% (2011) e +8,5% (2010).
Segundo o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, o resultado é consequência da melhora da conjuntura e da proximidade do fim da crise econômica. Para ele, o resultado das vendas nesta data mostra tendência de melhoria para o Natal.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia