Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de outubro de 2017. Atualizado às 22h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Notícia da edição impressa de 10/10/2017. Alterada em 09/10 às 21h12min

Genética é destaque nos leilões da Farm Show

Gonçalves ressalta que qualidade dos reprodutores garante liquidez ao evento

Gonçalves ressalta que qualidade dos reprodutores garante liquidez ao evento


/FREDY VIEIRA/JC
Thiago Copetti
Com início na próxima semana, foi lançada ontem na Capital a 84ª edição da Farm Show, uma das maiores e mais antigas feiras agropecuárias do interior do Estado. Nesta edição, que terá três dias a mais, um dos destaques dará a mostra dos diferencias dos bovinos tradicionalmente comercializados no evento: a genética. Da Agropecuária Caty, por exemplo, estarão nos remates reprodutores com mais resistência ao carrapato, praga que tem afetado significativamente a pecuária gaúcha nos últimos anos. Integrante de um grupo de 16 proprietários de cabanhas gaúchas que desenvolvem a avaliação genômica para identificar os animais mais resistentes ao parasita, o Grupo Delta G, Bernardo Pötter ressalta que 100% dos reprodutores da Caty, hoje, já são fruto desse melhoramento, e são destaques do 45º Remate Guatambu, Caty e Alvorada.
O projeto, em parceria com a Embrapa, já teve investimento de R$ 2 milhões e mapeou cerca de 5 mil animais no Estado. De acordo com a pesquisa, em média, os animais selecionados pela resistência são 50% menos sujeitos ao ataque do parasita. "O carrapato é uma praga que traz inúmeros prejuízos ao produtor, como menor desenvolvimento dos animais e mais custos com pesticidas, por exemplo. Além disso, reduzindo o uso de pesticidas no rebanho, a propriedade se torna mais sustentável", diz Pötter.
Outro destaque genético da feira será a venda de 25% do touro Braford Gran Sobrino, importado do Uruguai pela Agropecuária Rincão da Figura. Humberto Machado, proprietário da cabanha, pretende ampliar a parceria com a uruguaia Estância La Victoria para expandir e aprimorar a raça no Brasil. "Mas talvez venhamos a fazer mais negócios com importação de sêmens e embriões, que têm um custo muito menor de transporte", explica Machado.
A Farm Show, que neste ano irá de 16 a 30 de outubro, terá ainda remates da Agropecuária Quiri, Santa Thereza, Wolf Genética & Pitangueira, Genética da Campanha (das fazendas da Barragem e Don Angélico) e o Marcas de Raça, com cavalos crioulos das cabanhas Quilero e São Desso-Ico. Outros destaque é o 4º Leilão Entre Amigos, organizado conjuntamente pelas cabanhas Santa Leodora, Santa Delfina, Santa Leocádia e Firmeza. Para o presidente da Farm Show e do sindicato rural da cidade, Luiz Augusto Gonçalves, a expectativa é repetir os resultados do ano anterior, mesmo com as cotações menores do boi gordo. "A qualidade genética da feira, um das três maiores em faturamento do Interior, dá liquidez ao evento. Certamente, teremos pistas limpas e boas vendas", antecipa Gonçalves.

Preço pago pelo quilo do suíno vivo permanece estável

Em praças gaúchas, cotação ficou em R$ 3,87, segundo pesquisa

Em praças gaúchas, cotação ficou em R$ 3,87, segundo pesquisa


/MARCOS NAGELSTEIN/ARQUIVO/JC
A pesquisa semanal divulgada ontem pela Associação de Criadores de Suínos do Estado (Acsurs) apontou a cotação de R$ 3,87 no preço pago pelo quilo do suíno vivo na praça do Rio Grande do Sul, estando estável em relação a semana anterior.
A saca de 60 quilos do milho apresentou valor de R$ 31,00 (anterior R$ 30,12), e o farelo de soja registrou cotação de R$ 990,00 no pagamento à vista (anterior R$ 980,00) e para R$ 1.010,00 no pagamento com 30 dias de prazo (anterior R$ 990,00).
O preço médio na integração permaneceu em R$ 3,09. As agroindústrias e cooperativas apresentaram as seguintes cotações: Cooperalfa/Aurora, R$ 3,10; Cosuel/Dália Alimentos, R$ 3,08; Cotrijuí, R$ 3,10; Cooperativa Languiru, R$ 3,06; Cooperativa Majestade, R$ 3,05; Ouro do Sul, R$ 3,30; Alibem, R$ 3,00; JBS R$ 3,10; e Pamplona, R$ 3,10.

Secretário da Agricultura vai a Brasília nesta terça-feira

O secretário da Agricultura, Pecuária e Irrigação, Ernani Polo, vai a Brasília, nesta terça-feira, entregar ao Ministério da Agricultura (Mapa) documento com o pedido de auditoria do Mapa no Rio Grande do Sul para avaliar as condições de defesa agropecuária do Estado.
Na pauta do secretário está o plano estadual que cumpre metas estabelecidas no Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa, para que o Rio Grande do Sul possa avançar em seu status sanitário. Estão previstas ainda reuniões no ministério sobre a falta de antígenos para teste de brucelose e tuberculose, e sobre a Instrução Normativa nº 37, que aborda aspectos fitossanitários no transporte de citros.
Polo também terá uma audiência com o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, sobre aquisições de leite em pó pelo governo federal. O secretário também vai ao Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços tratar do pedido, elaborado e encaminhado pela Secretaria da Agricultura, em conjunto com Farsul e Fetag, de investigação sobre o leite importado do Uruguai, que estaria trazendo prejuízos ao setor no estado.
Concluindo sua agenda, Polo acompanha o deputado estadual Adolfo Brito, presidente da Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa, em uma reunião na Câmara dos Deputados, visando a conseguir recursos para o fortalecimento da rede de energia elétrica no meio rural.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia