Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de outubro de 2017. Atualizado às 17h06.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 06/10 às 17h08min

Ouro fecha em leve alta com dado de emprego dos EUA e fala de dirigente do Fed

Os contratos futuros de ouro encerraram o pregão desta sexta-feira em leve alta, influenciados pela movimentação do dólar no mercado internacional.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para dezembro fechou em alta de US$ 1,70 (0,13%), a US$ 1.274,90 por onça-troy. Na semana, o contrato cedeu 0,77%.
Os investidores do metal esperavam a divulgação do relatório sobre o emprego nos Estados Unidos em setembro, o chamado payroll. Os números, informados pelo Departamento do Trabalho, mostram queda de 33 mil postos de trabalho em setembro, em grande parte por causa dos furacões que atingiram o sul do país. Apesar disso, o salário médio por hora avançou 0,45%, enquanto os analistas ouvidos pela Dow Jones Newswires previam subida de 0,30%.
Em um primeiro momento, o ouro caiu, com a perspectiva de aumento de juros nos Estados Unidos. Depois, passou a subir levemente, principalmente após o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) de Dallas, Robert Kaplan, dizer que não está seguro em relação a uma elevação da taxa em dezembro.
Além da inquietação dos investidores com a economia norte-americana, rumores e especulações de que a Coreia do Norte possa estar preparando outro teste de mísseis de longa distância neste final de semana podem ter contribuído para o aumento no preço do metal, de acordo com a executiva de contas da Sucden Financial, Liz Grant. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia