Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de outubro de 2017. Atualizado às 11h51.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

investigação

05/10/2017 - 09h24min. Alterada em 05/10 às 11h51min

Operação investiga lavagem de dinheiro no Brasil por organização criminosa do Leste Europeu

Policiais examinaram materiais em investigação de cidadãos tchecos e um brasileiro

Policiais examinaram materiais em investigação de cidadãos tchecos e um brasileiro


POLÍCIA FEDERAL/DIVULGAÇÃO/JC
A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (5) uma operação para investigar lavagem de dinheiro no Brasil feita por uma organização criminosa do Leste Europeu. A ação, batizada de Multifake, cumpre quatro mandados de prisão preventiva, dois de condução coercitiva e cinco de busca em Porto Alegre e Viamão.
São investigados quatro cidadãos da República Tcheca e um brasileiro pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, uso de documento falso, falsidade ideológica e prestação de informações falsas para realização de contratos de câmbio.
A Operação identificou remessas de valores feitas por um cidadão da República Tcheca ao Brasil. Segundo a PF, parte dos valores remetida ao Brasil era redirecionada a “empresas-fantasma”, que estabelecem negócios imobiliários sem declarar qualquer receita.
Em operações de câmbio oficiais, foram transferidos para o Brasil aproximadamente R$ 4 milhões entre 2011 e 2016. Os envolvidos, entretanto, teriam movimentado em créditos, aproximadamente, R$ 20 milhões no mesmo período.
Um dos principais investigados teria usado ao menos quatro nomes diferentes para cometer os crimes, sendo três identidades falsas de brasileiros. Um dos nomes começou a ser usado pelo investigado há mais de 20 anos. Na Europa, ele já cumpriu pena e foi extraditado da Croácia para a República Tcheca.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia