Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de outubro de 2017. Atualizado às 19h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

contas públicas

Alterada em 04/10 às 19h32min

Dyogo: governo vai avaliar capacidade do Bndes de fazer devolução em 2018

O governo terá até o fim deste ano para "avaliar melhor os números" para 2018 sobre a necessidade para o cumprimento da chamada "regra de ouro" do Orçamento, disse nesta quarta-feira (4), o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira. A equipe econômica pede a devolução de mais R$ 130 bilhões no ano que vem ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) - que já assentiu com a antecipação de R$ 50 bilhões em 2017. Segundo Oliveira, é preciso verificar se o banco "terá ou não capacidade para aportar esses recursos".
"O Bndes acabou de aprovar liberação dos recursos que nós precisamos este ano. Temos até o final do ano para avaliar melhor os números (de 2018) e ver se realmente o Bndes terá ou não capacidade para aportar esses recursos. O fato é que qualquer decisão que seja tomada deverá sempre respeitar a capacidade do Bndes e a necessidade de oferta de crédito", disse o ministro após participar de audiência pública na Câmara dos Deputados.
O Bndes aprovou na semana passada a devolução dos primeiros R$ 33 bilhões ao Tesouro Nacional e deve ainda fazer um segundo pagamento em novembro, de R$ 17 bilhões. Mas o pedido de mais R$ 130 bilhões em 2018 está sendo alvo de uma intensa disputa travada nos bastidores entre integrantes do banco e da equipe econômica.
O presidente do Bndes, Paulo Rabello de Castro, tem inclusive elevado o tom em suas declarações sobre o tema. Hoje, ele voltou à carga e disse que o banco "não tem tanto cheque para passar para a viúva". "Acabamos sendo constrangidos, na medida em que olham para nosso caixinha como sendo a solução para esse desequilíbrio", afirmou em evento em São Paulo.
O governo precisa da devolução para fazer frente a um rombo de R$ 184 bilhões detectado no cumprimento da "regra de ouro", que impede a emissão de dívida para pagar despesas correntes. O descumprimento da norma é crime de responsabilidade das autoridades. O cenário é tão grave que o Tribunal de Contas da União (TCU) abriu investigação sobre o tema, como revelou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.
O ministro Dyogo Oliveira ressaltou nesta quarta-feira que as conversas do governo com o Bndes têm ocorrido em "tom sempre muito cordial", com um diálogo "construtivo". Ele garantiu que os trabalhos continuarão a ser conduzidos dessa maneira.
"Temos que ver realmente a demanda de crédito do Bndes, os recursos que ele precisa, inclusive para manter o caixa em nível de segurança. Aquilo que for possível sim pode ser adiantada para ajudar no cumprimento da regra de ouro", afirmou o ministro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia