Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de outubro de 2017. Atualizado às 13h46.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Telecomunicações

Alterada em 04/10 às 13h50min

TIM reitera que possível fusão com Oi só será discutida após recuperação

O diretor-presidente da TIM Brasil, Stefano de Angelis, voltou a afirmar nesta quarta-feira (4) que só analisará uma potencial fusão com a Oi depois que a companhia resolver o seu processo de recuperação judicial, que visa a equalizar R$ 65 bilhões em dívidas. A costura de uma junção das empresas estava em andamento alguns anos atrás, mas foi interrompida no ano passado, quando a Oi iniciou sua reestruturação.
"Antes de qualquer ideia ou de qualquer discussão, tem que ser resolvido o tema da recuperação judicial. Temos que entender qual será a forma da recuperação e quais acionistas vão liderar a empresa daqui para frente. Esse é um tema que entendemos que não estará resolvido antes de 2018", disse Angelis, durante entrevista à imprensa.
O executivo evitou opinar se considera positiva a entrada de investidores chineses na Oi. "Resolver o problema da Oi é benéfico para toda a indústria. Ter, hoje, uma grande empresa nessa situação não ajuda, desvia a atenção dos stakeholders. Não vou entrar no tema de um acionista ser melhor do que outro", ponderou.
Ele lembrou ainda que a TIM e a Oi tem parcerias comerciais para compartilhamentos de redes, o que exige da TIM o monitoramento constante da situação. "Temos relacionamento comercial relevante com a Oi, portanto temos a obrigação de entender o que vai acontecer com a empresa", completou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia