Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de outubro de 2017. Atualizado às 14h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 03/10 às 14h38min

Bolsas da Europa fecham em alta em dia de liquidez reduzida

Em um dia de liquidez reduzida na Europa devido a um feriado na Alemanha, os mercados acionários da região fecharam majoritariamente em alta nesta terça-feira (3) com os investidores digerindo novos dados econômicos, enquanto as tensões políticas ficaram em segundo plano. O índice pan-europeu Stoxx-600 fechou em alta de 0,14% (+0,55 ponto), aos 390,68 pontos.
Entre os indicadores divulgados no dia, o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês da zona do euro subiu 0,3% em agosto na comparação com o mês anterior e avançou 2,5% na comparação anual. Os resultados superaram a expectativa de analistas consultados pela Dow Jones Newswires, que previam avanço mensal de 0,1% no PPI de agosto da região e alta de 2,3% no ritmo anual.
Além disso, a IHS Markit e a CIPS divulgaram que o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor de construção do Reino Unido caiu de 51,1 em agosto para 48,1 em setembro. A leitura baixo de 50,0 indica que a indústria de construção britânica registrou contração pela primeira vez em 13 meses. O resultado fez com que a libra passasse a recuar ante o dólar, apoiando ações exportadoras na praça londrina.
O índice FTSE-100 fechou em alta de 0,39%, aos 7.468,11 pontos, com a EasyJet subindo 1,33% e a AstraZeneca avançando 0,30%. Já a Glencore fechou em alta de 0,80% após ter aumentado sua participação na Volcan ao ter adquirido 26,73% das ações da empresa por US$ 531 milhões.
Também nesta terça-feira, o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) trouxe mais detalhes sobre suas preocupações relativas à sustentabilidade da Libor. Em julho, o banco central afirmou que eliminaria a taxa de referência depois de um escândalo sobre a manipulação da variação da taxa.
Já o Banco Central Europeu (BCE) anunciou, em 21 de setembro, que publicaria uma nova taxa de juros overnight garantida, com base nos dados dos bancos centrais da zona do euro. A medida seria uma alternativa à Libor e pode ser implementada antes de 2020.
Em Madri, o índice Ibex-35 fechou em alta de 0,02%, aos 10.257,50 pontos. Os negócios ficaram em território negativo durante quase todo o pregão, esboçando uma recuperação na parte final. Os bancos se recuperaram das fortes perdas da semana passada e da segunda-feira, com o Santander subindo 0,22%, o BBVA ganhando 0,89% e o catalão CaixaBank com expansão de 1,60%.
Na Catalunha, dezenas de milhares de pessoas se reuniram na região da sede da Polícia Nacional da Espanha em Barcelona para protestar contra a ação policial durante um plebiscito sobre a independência da região realizado no último domingo.
O índice CAC-40, da Bolsa de Paris, avançou 0,32%, aos 5.367,41 pontos. Entre as ações mais negociadas, o Carrefour subiu 2,71%, enquanto Natixis ganhou 3,16%. Entre os bancos, o Crédit Agricole teve alta de 0,65%, enquanto o Société Générale perdeu 0,56%.
Na Bolsa de Milão, o índice FTSE-Mib destoou das demais praças e fechou em baixa de 0,12%, aos 22.784,82 pontos. Já o índice PSI-20, da Bolsa de Lisboa, subiu 0,76%, aos 5.439,99 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia