Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de outubro de 2017. Atualizado às 09h05.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Conjuntura

03/10/2017 - 09h00min. Alterada em 03/10 às 09h06min

Porto Alegre encerra setembro com deflação, aponta FGV

O grupo Leitura e Recreação ajudou a desacelerar o índice no período

O grupo Leitura e Recreação ajudou a desacelerar o índice no período


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal de Porto Alegre (IPC-S), calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), voltou a registrar deflação e variou -0,24% na apuração realizada na última semana de setembro. O resultado divulgado nesta terça-feira (3) foi 0,02 ponto percentual (p.p.) inferior ao divulgado na leitura anterior, quando foi de -0,22%. 
No geral, o IPC-S acelerou em 5 de 7 capitais pesquisadas pela FGV. Em relação à terceira quadrissemana de setembro (-0,07%), o índice mostrou uma aceleração de 0,05 ponto porcentual.
Na capital gaúcha, cinco das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram desaceleração em suas taxas de variação, entre as quais se destacam os grupos: Habitação e Educação, Leitura e Recreação, cujas taxas passaram de -0,61% para -0,93%, e de 0,73% para 0,55%, respectivamente.
As pressões acima da variação média foram exercidas pelos grupos Educação, Leitura e Recreação (0,55%), Transportes (0,50%), Vestuário (0,28%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,26%) e Despesas Diversas (0,00%). Em nível abaixo da variação média situaram-se os grupos: Comunicação (0,26%), Alimentação (-0,63%) e Habitação (-0,93%).
As cidades de Salvador (0,17%), Brasília (0,20%), Recife (0,27%), São Paulo (-0,04%) e Rio de Janeiro (-0,21%) tiveram acréscimo nas taxas de variação no período. Já em Belo Horizonte, a taxa de variação manteve-se no mesmo nível da quadrissemana anterior (0,22%). 
A tabela a seguir apresenta as variações percentuais dos municípios das sete capitais componentes do índice, nesta e na apuração anterior:
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2017/10/03/206x137/1_3009-1646868.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'59d375b6f12a8', 'cd_midia':1646868, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2017/10/03/3009-1646868.jpg', 'ds_midia': 'IPC-S 4ª quadrissemana de setembro', 'ds_midia_credi': 'FGV/Reprodução/JC', 'ds_midia_titlo': 'IPC-S 4ª quadrissemana de setembro', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '570', 'cd_midia_h': '345', 'align': 'Left'}
Com informações da Agência Estado
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia