Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de outubro de 2017. Atualizado às 08h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

02/10/2017 - 08h55min. Alterada em 02/10 às 08h58min

Confiança empresarial sobe 1,3 ponto em setembro ante agosto, revela FGV

Maior contribuição para alta de 1,3 ponto foi dada pelo comércio, seguido pelos serviços

Maior contribuição para alta de 1,3 ponto foi dada pelo comércio, seguido pelos serviços


EDUARDO SEID/ARQUIVO/JC
O Índice de Confiança Empresarial (ICE) avançou 1,3 ponto em setembro ante agosto, alcançando 87,3 pontos, informou nesta segunda-feira (2), a Fundação Getulio Vargas (FGV). Após três meses consecutivos de altas, o indicador subiu ao maior nível desde dezembro de 2014, quando estava em 87,6 pontos.
"O bom resultado do ICE em setembro mostra que a recuperação da economia ganha força, se dissemina entre os diferentes setores e se sobrepõe aos ruídos do ambiente político, responsáveis pela rateada do índice em junho. Um bom sinalizador de consistência da atual tendência de alta da confiança empresarial é a lenta, mas contínua melhora da percepção sobre as condições correntes do ambiente de negócios", avaliou Aloisio Campelo Junior, superintendente de Estatísticas Públicas do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.
O Índice de Confiança Empresarial reúne os dados das sondagens da Indústria de Transformação, Serviços, Comércio e Construção. O cálculo leva em conta os pesos proporcionais à participação na economia dos setores investigados, com base em informações extraídas das pesquisas estruturais anuais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a FGV, o objetivo é que ICE permita uma avaliação mais consistente sobre o ritmo da atividade econômica.
Em setembro, o Índice de Situação Atual (ISA-E) cresceu 1,2 ponto em relação ao mês anterior, para 82,9 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE-E) avançou 1,0 ponto, para 93,8 pontos. O ISA-E avançou mais que o IE-E pelo terceiro mês consecutivo, fazendo a distância entre os dois indicadores recuar para 10,9 pontos, menor resultado desde maio de 2016, quando estava em 6,4 pontos. A maior distância entre os dois indicadores continua sendo observada no setor da Construção (23,0 pontos), seguido por Comércio (11,2), Serviços (8,4), e Indústria (4,3).
Todos os grandes setores tiveram aumento na confiança em setembro. A maior contribuição para a alta de 1,3 ponto do ICE no mês foi dada pelo comércio (0,6 ponto), seguida pelo setor de serviços (0,5 ponto). A Indústria e a Construção contribuíram com 0,1 ponto cada. A coleta do Índice de Confiança Empresarial reuniu informações de 5.033 empresas dos quatro setores entre os dias 1 e 26 de setembro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia