Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 27 de setembro de 2017. Atualizado às 12h55.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

26/09/2017 - 20h50min. Alterada em 26/09 às 20h50min

Carta de Palocci revela proposta de leniência do PT

"Continuo a apoiar a proposta de leniência ao PT." Assim, o ex-ministro da Fazenda do governo Lula e da Casa Civil de Dilma Rousseff, revela uma discussão interna do PT para que a legenda buscasse um acordo de leniência (espécie de delação premiada para pessoas jurídicas) na Operação Lava Jato.
Absolvido pela segunda vez nesta terça-feira (26), pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) dos processos da Lava Jato, João Vaccari Neto é citado por Palocci na histórica "carta ao PT" como autor da proposta de leniência do partido levada ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
"Há alguns meses decidi colaborar com a Justiça", afirma Palocci, que virou réu confesso da Lava Jato no dia 6 de setembro, quando incriminou Lula em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro.
"Há pouco mais de um ano tive oportunidade de expressar essa opinião de uma maneira informal a Lula e Rui Falcão, então presidente do PT que naquela oportunidade transmitia uma proposta apresentada por João Vaccari, para que o PT buscasse um processo de leniência na Lava Jato", escreve Palocci em sua carta ao Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, dessa terça-feira (26).
Preso há exato um ano, Palocci redigiu a carta de quatro páginas ao partido, depois de ser alvo de suspensão em decorrência de suas revelações de crimes na Lava Jato.
Palocci pediu a desfiliação do partido e voltou a confirmar pedido de propinas feito por Lula, em negócios da Petrobras para construção de sondas de exploração marítima de petróleo para os campos do pré-sal.
O PT é apontado como principal partido do esquema de indicações políticas na Petrobras, alvo da Lava Jato, que contava ainda com PMDB e PP.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Elio Maartins da Silva 27/09/2017 10h56min
Concordo com Palocci, pois Lula e dos demais corruptos, deveriam assumir seus mal feitos, ao invés de condenar todos os coniventes. Isso é ainda mais feio. Todos os corruptos negam seu envolvimento no roubo. Quem assumiu até aqui, foi Roberto Jeferson, no mensalão, Delcidio e agora Palocci no petrolão. Agora Dona Marisa é que está levando toda a carga do Lula. Ele é tão inteligente de conseguiu aumentar mais um dia, nos meses meses novembro de junho.