Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de setembro de 2017. Atualizado às 23h44.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

justiça

Notícia da edição impressa de 27/09/2017. Alterada em 26/09 às 23h40min

TRF aumenta a pena de José Dirceu para 30 anos

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF) confirmou ontem a condenação do ex-ministro José Dirceu (PT) na Operação Lava Jato e elevou a pena dele para 30 anos e nove meses de prisão. No processo, o Ministério Público acusa José Dirceu de ter recebido cerca de R$ 10 milhões em propinas da empreiteira Engevix, por meio de contratos superfaturados com a diretoria de Serviços da Petrobras. Também afirma que essas propinas seriam transferidas para o PT, cujo tesoureiro era João Vaccari Neto.
Dirceu ficou preso de agosto de 2015 até maio de 2017 e conseguiu o direito de aguardar o recurso em liberdade.
Em 2016, ele foi condenado pelo juiz Sérgio Moro a 20 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva e organização criminosa.
O TRF manteve a condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Para o órgão, havia "prova suficiente, testemunhal e documental de que os crimes ocorreram" e que violaram princípios norteadores da administração pública.
Dirceu ainda pode recorrer da sentença em liberdade, até o encerramento dos recursos na segunda instância.
A corte também decidiu absolver o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, que havia sido condenado a 9 anos de prisão nessa mesma ação. Esta é a segunda vez que Vaccari é absolvido pelo órgão sediado em Porto Alegre, responsável pelo julgamento em segunda instância das ações da Lava Jato.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia