Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de setembro de 2017. Atualizado às 19h43.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise no planalto

Alterada em 14/09 às 19h44min

Denúncia é fulminante e Câmara terá dificuldade na apreciação, diz Álvaro Dias

O senador Álvaro Dias (Pode-PR) chamou de "fulminante" a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, apresentada nesta quinta-feira (14), pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF). Além de Temer, são acusados Eduardo Cunha, Henrique Alves, Geddel Vieira Lima, Rodrigo Loures, Eliseu Padilha e Moreira Franco.
"Uma denúncia fulminante, que tem força jurídica, especialmente em função nas provas acumuladas em várias delações. Certamente, a Câmara dos Deputados terá enorme dificuldade na apreciação desta nova denúncia", opinou. "A imagem do presidente da República está ainda mais fragilizada. As últimas denúncias, últimas prisões, os últimos atos fragilizaram a figura do presidente da República diante da sociedade e diante do Congresso. Certamente custará muito caro ao País a manutenção de seu mandato", complementou.
Segundo a denúncia de Janot, a cúpula do governo praticou ações ilícitas em troca de propina por meio da utilização de diversos órgãos públicos, como Petrobras, Furnas, Caixa Econômica, Ministério da Integração Nacional e Câmara dos Deputados. Michel Temer é acusado de ter atuado como líder da organização criminosa desde maio de 2016.
"O preço do voto certamente ganha força diante da gravidade desta denúncia que envolve obstrução de Justiça e liderança de uma organização criminosa que se instalou exatamente na Câmara dos Deputados", disse Álvaro Dias.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia