Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de setembro de 2017. Atualizado às 00h18.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

crise no planalto

Notícia da edição impressa de 14/09/2017. Alterada em 13/09 às 21h02min

Mensagens de celular reforçam atuação de Miller

A Polícia Federal (PF) encontrou no celular de Wesley Batista, presidente-executivo e sócio da JBS, uma série de mensagens que reforçam a atuação do ex-procurador Marcello Miller a favor da empresa quando ainda atuava no Ministério Público Federal (MPF).
Um relatório da PF afirma que integrantes da Procuradoria-Geral da República (PGR) tinham "ciência de que Miller estava atuando de forma indireta nas negociações da colaboração premiada". O ex-procurador fazia parte de um grupo de WhatsApp com diretores e delatores da JBS. Ele só se manifestou no grupo, porém, no dia 4 de abril, seu último dia de trabalho no MPF no Rio de Janeiro.
Outras mensagens, porém, mostram que ele já orientava o acordo de delação desde março. As mensagens estavam no celular de Wesley Batista, que foi apreendido durante a Operação Lama Asfáltica, em maio deste ano.
Segundo a PF, as mensagens evidenciam "a participação de Marcello Miller como peça fundamental no êxito do acordo". Para a polícia, a JBS cooptou um agente público para lograr êxito em uma delação que lhes garantiu imunidade.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia