Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de setembro de 2017. Atualizado às 22h51.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Partidos

Notícia da edição impressa de 12/09/2017. Alterada em 11/09 às 22h12min

PT gaúcho defende pedido de expulsão de Antônio Palocci

Ex-ministro é 'incompatível' 
com esquerda, diz nota de Pepe

Ex-ministro é 'incompatível' com esquerda, diz nota de Pepe


Jonathan Hecker/Jonathan Hecker/JC
A executiva estadual do PT declarou ontem, por meio de nota, que a permanência de Antônio Palocci no partido é "incompatível com o compromisso que se espera de um partido de esquerda". O presidente do PT no Rio Grande do Sul, deputado federal Pepe Vargas, confirma a intenção de pedir a expulsão do ex-ministro da sigla.
A decisão repercute depoimento de Palocci ao juiz Sérgio Moro, em investigação da Operação Lava Jato, em que acusa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de saber e de ter se beneficiado do esquema de corrupção envolvendo a empreiteira Odebrecht. Com as declarações, Palocci pretende fechar acordo de delação premiada.
Conforme a nota petista, o depoimento contradiz a primeira manifestação, não tem comprovação. "Ao tentar uma colaboração premiada, Palocci não só abdica de defender seus atos como admite que cometeu ilícitos." Ao juiz Sérgio Moro Palocci reconhece que o codinome "italiano" na lista da Odebrecht se refere a ele.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia