Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 19h44.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

08/09/2017 - 14h19min. Alterada em 08/09 às 14h31min

Há 'fortes indícios' de que dinheiro em bunker seja de Geddel, diz PF

Folhapress
A Polícia Federal afirma que há "fortes indícios" de que os R$ 51 milhões encontrados em um apartamento em Salvador pertencem ao ex-ministro Geddel Vieira Lima.
A prisão de Geddel, efetuada nesta sexta (8), foi decretada na quinta (7) pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal.
Segundo a decisão do juiz, a PF informou que "o dinheiro apreendido tem, certamente, origem ilícita, decorrente das atividades criminosas praticadas por Geddel Quadros Vieira Lima no comando da Vice-Presidência de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal e, possivelmente, de outras que porventura podem vir a ser descobertas".
No despacho, o juiz afirma que "esses novos fatos mostram que seriam atuais as condutas ilícitas praticadas por Geddel", "como a lavagem e ocultação de ativos, que podem ter sido praticados pelo primeiro por meio dos serviços do operador financeiro Lúcio Funaro".
Segundo o magistrado, Geddel "reitera na atividade delituosa de lavagem de capitais e outros delitos de forma sorrateira, em estado de permanência, pois os valores estavam ocultos em um apartamento cuja finalidade era exclusivamente para guardá-los".
Ele destaca que Funaro, réu na Operação Sépsis, afirmou em depoimento que Geddel recebeu R$ 20 milhões desviados de empréstimos referentes a J&F, Marfrig e Bertin.
Segundo a decisão do juiz, a PF encontrou no "bunker" uma fatura em nome de Marinalva Teixeira de Jesus, "pessoa detentora de vínculos empregatícios com o Lúcio Vieira Lima", irmão de Geddel e deputado federal pelo PMDB-BA.
O Ministério Público Federal também pediu a prisão do ex-ministro. O pedido diz que Marinalva é "empregada doméstica" de Lúcio Vieira Lima. Os procuradores ainda afirmam que Geddel é um "criminoso em série, ou seja, criminoso habitual que faz de uma dada espécie de crime (neste caso, crimes financeiros e contra a Administração Pública) sua própria carreira profissional".
O relatório da PF confirma que "alguns fragmentos de impressões digitais" de Geddel e de Gustavo Ferraz foram identificados no dinheiro apreendido.
Ferraz, apontado como homem ligado a Geddel, também foi preso. "Tendo sido, inclusive, indicado por ele para buscar, em 2012, valores ilícitos remetidos por Altair Alves, emissário de Eduardo Cunha", diz o despacho do juiz.
A PF argumentou que o decreto de prisão era necessário "para a garantia da ordem pública e para a aplicação da lei penal, pois os novos fatos descobertos ou seja, a manutenção desses valores em espécie em local totalmente desvinculado de documentação formal, com o intuito de ocultar recursos decorrentes das atividades ilícitas praticadas".
O juiz argumenta que houve "reiteração delitiva" do ex-ministro durante cumprimento de prisão domiciliar.
"No momento, são fortes os indícios do delito de lavagem de capitais, tudo apontando ao fato de que o requerido não cumpriu a decisão (de prisão domiciliar) na sua integralidade (em paralelo e desde antes de sua prisão), e de que esteja reiterando na conduta criminosa, sendo a hipótese de decretação de sua prisão preventiva, a fim de que seja sustada a continuidade delitiva", afirma.
Em nota, o advogado de Geddel, Gamil Föppel, diz que: "A defesa técnica de Geddel Vieira Lima informa que somente se manifestará quando, finalmente, lhe for franqueado acesso aos autos, especialmente aos documentos que são mencionados no decreto prisional. Pesa dizer que o direito de defesa e, especialmente, as prerrogativas da advocacia, conferidas por lei, sejam tão reiteradamente desrespeitadas, impedindo-se o acesso a elementos de prova, já documentados nos autos."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia