Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de setembro de 2017. Atualizado às 11h52.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Alterada em 21/09 às 09h11min

Coreia do Sul diz que continuará a enviar ajuda humanitária a Pyongyang

O governo da Coreia do Sul disse que enviaria US$ 8 milhões em novas ajudas humanitárias para a Coreia do Norte, apesar do impasse nuclear envolvendo Pyongyang. A administração do presidente Moon Jae-in aprovou a nova parcela de ajuda na quinta-feira (21), após uma reunião de funcionários do governo presidida pelo ministro da unificação, Cho Myoung-gyon.
Desde que assumiu o governo em maio, Moon enfatizou uma abordagem de duas vias em relação à Coreia do Norte, apoiando sanções mais duras em resposta aos testes de mísseis e nuclear realizados pelo país vizinho, enquanto se opõe à ação militar e deixa aberta a porta para conversas de paz. Espera-se que ele abrace essa estratégia em um discurso nesta quinta-feira na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque.
Seul planeja fornecer US$ 3,5 milhões em vacinas e assistência média por meio da Unicef e US$ 4,5 milhões em alimentos por meio do Programa Mundial de Alimentos da ONU para crianças desnutridas e mulheres grávidas, disse o Ministério da Unificação, com o tempo e o tamanho das entregas de ajuda a serem determinadas posteriormente.
Uma vez que o auxílio seria fornecido como produtos médicos e alimentos, não em dinheiro, praticamente não havia possibilidade de que fosse desviado para outros fins, disse o Ministério. Em maio, o Programa Mundial de Alimentos se aproximo de Seul solicitando apoio, enquanto a Unicef adotou movimento semelhante em junho, de acordo com o Ministério.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia