Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de setembro de 2017. Atualizado às 14h17.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

18/09/2017 - 14h18min. Alterada em 18/09 às 14h20min

Líderes de Canadá e Reino Unido discutem laços comerciais após Brexit

Justin Trudeau e Theresa May se reuniram para discutir laços comerciais após a Brexit

Justin Trudeau e Theresa May se reuniram para discutir laços comerciais após a Brexit


LARS HAGBERG/AFP/JC
O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, se reuniu nesta segunda-feira com a premiê do Reino Unido, Theresa May, em Ottawa. A dupla discutiu como devem ficar os laços comerciais após a saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado Brexit.
May afirmou em entrevista coletiva após a reunião que a ideia é garantir uma transição "a mais suave possível", nesse processo. Trudeau, por sua vez, lembrou dos laços bilaterais "profundos" no comércio entre os países e disse que pretende manter isso. Segundo ele, com a saída dos britânicos da UE haverá um corte de 90% nas barreiras comerciais bilaterais.
A UE e o Canadá já fizeram um acordo, que passará a vigorar em 21 de setembro. O chamado Acordo Abrangente Econômico e Comercial UE-Canadá (CETA, na sigla em inglês) pode servir de base para a transição entre o Canadá e o Reino Unido, disseram os líderes.
Além disso, May agradeceu o apoio do Canadá após o ataque ao metrô de Londres na semana passada, reivindicado pelo Estado Islâmico. Segundo ela, continuará a haver união para combater os extremistas. "O terrorismo nunca ganhará. Nossos valores prevalecerão", afirmou ela, que também defendeu uma reforma na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia