Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de setembro de 2017. Atualizado às 00h18.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

coreia do norte

Notícia da edição impressa de 14/09/2017. Alterada em 13/09 às 20h18min

Regime vai acelerar testes nucleares na Coreia do Norte

Em novo desafio à comunidade internacional, a Coreia do Norte prometeu ontem acelerar os seus programas nuclear e militar. O anúncio foi feito após a Organização das Nações Unidas (ONU) impor novas sanções a Pyongyang, em uma retaliação ao sexto e mais potente teste nuclear realizado pelo regime norte-coreano.
De acordo com o Ministério de Relações Exteriores da Coreia do Norte, as sanções são "maléficas", constituindo uma violação de seu direito legítimo de autodefesa e que têm como objetivo "sufocar completamente o seu Estado e sua população através de um bloqueio econômico de escala total".
"A adoção de uma nova resolução de sanções impulsionada pelos Estados Unidos constitui uma oportunidade para que a Coreia do Norte comprove que o caminho que escolheu é absolutamente correto", disse o ministério em uma nota divulgada pela agência de notícias norte-coreana KCNA, que se refere ao avanço armamentista do país nos últimos meses.
Na segunda-feira, a ONU aprovou resolução que proíbe exportações do setor têxtil e de gás natural ao país, além de limitar as importações norte-coreanas de petróleo. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que as sanções são apenas um pequeno passo em direção ao que é necessário para lidar com os programas nuclear e de mísseis norte-coreanos.
Pyongyang, entretanto, alega que a medida se trata de uma ameaça de invasão norte-americana. "A Coreia do Norte redobrará os esforços para aumentar a sua força e proteger a soberania e o direito à existência do país", afirmou no comunicado.
Especialistas expressaram ceticismo em relação à eficácia das sanções, alegando que as medidas não impedem o avanço dos programas nuclear e balístico de Pyongyang. Depois de testar dois mísseis intercontinentais em julho, o regime realizou em 3 de setembro o sexto teste nuclear, o mais importante até o momento. Segundo Pyongyang, trata-se de uma bomba de hidrogênio capaz de ser transportada por uma ogiva de míssil.
Nos últimos meses, a Coreia do Norte intensificou as ameaças aos Estados Unidos. O país alega ter a capacidade de produzir mísseis nucleares e de atingir parte do território norte-americano.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia