Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de setembro de 2017. Atualizado às 17h09.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Alemanha

Notícia da edição impressa de 04/09/2017. Alterada em 03/09 às 19h54min

Bomba da Segunda Guerra obriga evacuação de 60 mil em Frankfurt

Artefato teria sido lançado pela força área britânica durante o conflito

Artefato teria sido lançado pela força área britânica durante o conflito


THOMAS LOHNES/THOMAS LOHNES/AFP/JC
Os serviços de emergência de Frankfurt evacuaram pacientes de dois hospitais da cidade no fim de semana em preparação para desarmar uma enorme bomba da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Uma área de 1,5 quilômetro em torno da bomba foi evacuada, incluindo dois hospitais, o quartel-general da Polícia e o Banco Central alemão. Cerca de 60 mil pessoas tiveram que deixar suas casas cedo neste domingo enquanto forças de segurança desarmavam a bomba britânica de 1,4 tonelada descoberta no bairro de Westend, onde vive a elite da capital financeira da Alemanha.
Os chefes de polícia e dos bombeiros avisaram que pessoas seriam retiradas à força de suas casas e poderiam ser presas para forçar a evacuação. Segundo eles, uma explosão não controlada do material poderia destruir um quarteirão inteiro da cidade.
As autoridades alemãs presumem que a bomba foi atirada pela Real Força Aérea Britânica durante a Segunda Guerra Mundial. Mais de 2 mil toneladas de bombas e munições são encontradas a cada ano na Alemanha. A estimativa é que 15 por cento das 1,5 milhão de toneladas largadas sobre a Alemanha durante os seis anos de guerra não explodiram.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia