Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de setembro de 2017. Atualizado às 15h01.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

greve

29/09/2017 - 10h48min. Alterada em 29/09 às 15h06min

Assembleia do Cpers decide por continuidade da greve dos professores no Estado

Professores da rede estadual estão em greve desde o dia 5 de setembro

Professores da rede estadual estão em greve desde o dia 5 de setembro


FREDY VIEIRA/JC
Está mantida a greve dos professores estaduais do Rio Grande do Sul. A decisão aprovada nesta sexta-feira (29), em assembleia convocada pelo Cpers/Sindicato, no ginásio do Gigantinho. Já são 24 dias de paralisação dos professores no Estado. No fim da manhã até começo da tarde, servidores do Estado e da prefeitura fizeram ato no Largo Glênio Peres, no Centro Histórico. A Loja Lebes, situada em frente ao largo, chegou a baixar as portas principais, deixando um acesso lateral.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2017/09/29/206x137/1_img_7806-1644954.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'59ce84ca7b7ab', 'cd_midia':1644954, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2017/09/29/img_7806-1644954.jpg', 'ds_midia': 'Loja Lebes fecha as portas no Centro de Porto Alegre durante ato de Cpers e funcionalismo', 'ds_midia_credi': 'Bruna Suptitz/ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'Loja Lebes fecha as portas no Centro de Porto Alegre durante ato de Cpers e funcionalismo', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
Loja Lebes, no Centro da capital, fechou as portas enquanto ocorria ato dos servidores. Foto: Bruna Suptitz/Especial/JC
A mobilização da categoria ocorre contra o parcelamento de salários na gestão do governador José Ivo Sartori. Conforme anúncio do governo, na última sexta-feira (29), será priorizado o pagamento dos servidores que recebem os menores salários. A medida, segundo segundo levantamento do Dieese e divulgado pelo Cpers, fará com que apenas 19,78% dos professores e 48% dos funcionários de escola receberam seus salários nesta sexta, dia do pagamento do funcionalismo. Os que recebem até R$ 4 mil deverão receber a partir do dia 07 e os demais só após o dia 17.
Os docentes não ficaram satisfeitos após reunião entre a presidência do Cpers/Sindicato e a Secretaria Estadual da Educação (Seduc), realizada ontem (28). "Acabou o parcelamento, mas começou o atraso de salários. Vamos continuar nossa greve. Não podemos aceitar menos que o nosso direito", afirmou a presidente do Cpers, Helenir Schüler. 
A greve dos professores foi deflagrada no dia 5 de setembro como uma reação ao parcelamento de salários, medida adotada desde que Sartori assumiu o governo, em 2015.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia