Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de setembro de 2017. Atualizado às 22h40.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saneamento

Notícia da edição impressa de 26/09/2017. Alterada em 25/09 às 21h16min

Brasil precisaria de R$ 149,5 bilhões para universalizar esgotamento sanitário

A Agência Nacional de Águas divulgou ontem um estudo inédito em que faz um raio X do alcance do serviço de esgotamento sanitário no Brasil. O Atlas Esgotos: Despoluição de Bacias Hidrográficas revela que menos da metade (42,6%) dos esgotos do País é coletada e tratada. A pesquisa estima em R$ 149,5 bilhões os investimentos necessários até 2035 para universalizar o serviço.
O levantamento aponta que apenas 39% da carga orgânica gerada diariamente no Brasil (9,1 mil toneladas) é removida pelas 2.768 Estações de Tratamento de Esgoto antes dos efluentes serem lançados em rios, riachos, lagos e arroios. O restante, 5,5 mil toneladas, podem alcançar os corpos hídricos.
Um outro dado alarmante mostra que, do total de 5.570 municípios, 70% não possuem uma estação de tratamento de esgotos. Além disso, mais de 110 mil quilômetros de trechos de rio estão com a qualidade comprometida devido ao excesso de carga orgânica, sendo que para 83.450 quilômetros não é permitida a captação para abastecimento.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia