Porto Alegre, sexta-feira, 16 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 16 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

LONGEVIDADE

- Publicada em 11h23min, 25/09/2017. Atualizada em 16h37min, 15/10/2020.

Santa Clara se prepara para ser hospital amigo do idoso

Serviços estratégicos para os mais velhos serão oferecidos, diz Coral

Serviços estratégicos para os mais velhos serão oferecidos, diz Coral


MARCELO G. RIBEIRO/JC
O Hospital Santa Clara é o maior e mais antigo hospital do Complexo Hospitalar da Santa Casa e uma referência no Sistema Único de Saúde (SUS). "É a unidade hospitalar que melhor traduz a vocação histórica da Santa Casa. No entanto precisa de reformas para modernizar a sua estrutura e oferecer melhores condições de atendimento aos seus pacientes", afirma o diretor médico Roberto Pelegrini Coral.
O Hospital Santa Clara é o maior e mais antigo hospital do Complexo Hospitalar da Santa Casa e uma referência no Sistema Único de Saúde (SUS). "É a unidade hospitalar que melhor traduz a vocação histórica da Santa Casa. No entanto precisa de reformas para modernizar a sua estrutura e oferecer melhores condições de atendimento aos seus pacientes", afirma o diretor médico Roberto Pelegrini Coral.
De acordo com o médico, o objetivo é transformar o Santa Clara em um Hospital Amigo do Idoso, oferecendo desde o acolhimento, orientação na prevenção, diagnóstico precoce, tratamento e reabilitação do paciente. "A população idosa é a que mais cresce e a que mais vai precisar de atendimento hospitalar. Nosso objetivo é ter uma estrutura toda voltada para o paciente idoso", diz ele. A ideia de Amigo do Idoso já existe no sistema de saúde de São Paulo.
A modernização do Santa Clara se divide em quatro fases. A primeira modernizou o Pavilhão Cristo Redentor, onde ficam os leitos clínicos do SUS. A segunda etapa, em andamento, contempla a reforma da Maternidade Mário Totta, o Centro de Neonatologia, Unidades de Internação Cirúrgica e a construção de duas torres de elevadores, fundamental para resolver as deficiências de acessibilidade de pacientes, familiares, profissionais e organizar fluxos de serviços e abastecimento. A terceira e quarta fases incluem a reforma dos pavilhões Daltro Filho e Centenário e a construção de um novo pavilhão.
No projeto da direção do hospital estão adequação de piso, iluminação, temperatura, trabalho voluntário e novos leitos. Também está prevista uma estrutura completa para que os exames sejam feitos dentro do Santa Clara, sem precisar deslocar o paciente para outras unidades da Santa Casa. Além de serviços estratégicos para a população mais velha, o hospital quer ampliar o modelo para a saúde da mulher, do homem, ortopedia/traumatologia e oftalmologia. A verba para as obras veio da união da bancada gaúcha no Congresso. Cerca de
R$ 150 milhões já estão garantidos, mas todo projeto deve custar em torno de R$ 250 milhões.

OS 10 MAIORES INIMIGOS DA LONGEVIDADEFonte: Dr. Michael Roizen - Universidade de Chicago

  • 1. Cigarro
  • 2. Estresse (em casos extremos)
  • 3. Dieta desequilibrada
  • 4. Sedentarismo
  • 5. Pressão alta
  • 6. Excesso de sol
  • 7. Álcool
  • 8. Colesterol
  • 9. Sexo inseguro
  • 10. Deficiência de vitaminas

Exemplos de disposição e alegria de viver

Therezinha e Virgínia priorizam cuidados com aparência e saúde
Disposição e cuidados com a aparência fazem parte da rotina de Therezinha e Virgínia, moradoras de um residencial geriátrico
CRISTINE FOERNGES/DIVULGAÇÃO/JC
Enquanto muita gente se apavora com a ideia de trabalhar até os 70 anos, devido às mudanças da reforma da Previdência, a advogada Maria Helena de Moraes Gonçalves, 81 anos, está na ativa e feliz da vida. Apaixonada pelo Direito, conta que só foi para a universidade quando já tinha quatro dos cinco filhos. Moradora de Dom Pedrito, enfrentou as estradas de chão batido para frequentar as aulas em Bagé. "Amo meu trabalho", diz, enquanto fala ao telefone e dá orientações para o motorista de aplicativo que a leva até uma clínica em Porto Alegre para visitar o namorado, que está com problemas de saúde. "Hoje, é em clima de despedida, porque já estou voltando para Campanha", comenta.
Com 13 netos e um bisneto, Maria Helena afirma que o aconchego da família, a convivência e a alegria de estar entre os seus a mantém alegre e disposta. "Nunca parei para pensar qual o segredo da longevidade, mas acredito que pensar positivo e ser solidário tornam as pessoas mais felizes", comenta. A advogada cuida da saúde frequentando a academia e, quando está em Porto Alegre, aproveita para caminhar no Parque Marinha do Brasil. Ela conta que adora estar na Capital para ir a teatros e exposições de arte. "Porto Alegre tem tudo que eu gosto", comenta, lembrando que está sempre acompanhada de um bom livro.
Com boa saúde, Maria Helena passou por dificuldades em 1984, quando enfrentou um câncer de mama. Hoje, só lamenta não poder mais andar a cavalo, pois lesionou o tornozelo. "Sempre me exercitei, gostava muito de bicicleta. Tenho alegria em viver", completa.
Disposição e autoestima também não faltam a duas moradoras de um residencial geriátrico de Novo Hamburgo. A professora aposentada Therezinha Ronnau, 78 anos, mantém a cabeça erguida mesmo após o diagnóstico de câncer na coluna vertebral "Sempre fui muito positiva, gosto de ser independente e cuidar da minha aparência e saúde", afirma.
Quem também não mede esforços para se cuidar é Virgínia Weissheimer, 88 anos. O bom gosto e o glamour foram seus companheiros desde a mocidade, tanto que, quando jovem, foi eleita pela sociedade hamburguense como uma das 10 mais elegantes da cidade, título que a enche de orgulho, pois ela mesma desenhava e produzia suas roupas. "Nunca fiz nenhum curso de costura; mas, por quatro décadas, produzi minhas roupas, inclusive os vestidos de festa e o vestido de noiva da minha filha", recorda.
Comentários CORRIGIR TEXTO