Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de setembro de 2017. Atualizado às 18h39.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 29/09 às 18h43min

Ibovespa sobe 0,99% no dia e termina 3º trimestre com ganho de 18%

Depois de seis pregões consecutivos de queda, o Índice Bovespa encontrou fôlego para um avanço significativo nesta sexta-feira (29), e fechou em alta de 0,99%, aos 74.293,50 pontos. Com esse resultado, o índice chega ao final de setembro com ganho acumulado de 4,88%, o terceiro melhor resultado mensal do ano. Em agosto, melhor mês de 2017 até agora, a valorização somou 7,46%. No terceiro trimestre do ano, a alta acumulada chegou a 18,11%.
Setembro teve como principal marca a renovação de sucessivos recordes históricos do Ibovespa, que em seu pico de fechamento chegou a superar os 76 mil pontos. Segundo Leandro Martins, analista da Nova Futura Corretora, o bom desempenho da Bolsa no mês reflete avanços essencialmente domésticos, como a desaceleração da inflação, a queda dos juros e os sinais de recuperação econômica. Além disso, afirma, a própria chegada do Ibovespa ao pico histórico foi fator que alimentou a tendência de alta.
"É inegável que a tendência para a Bolsa ainda é de alta. As correções que vimos nos últimos dias não passaram de um descanso saudável", afirma o analista, lembrando que diversas ações passaram ilesas pelos movimentos de realização de lucros dos últimos seis dias, que fizeram o Ibovespa cair 3,21%.
A sexta-feira foi de noticiário escasso, mas majoritariamente positivo, o que favoreceu a recuperação das ações, após a sequência de baixas. A taxa de desemprego registrada no País no trimestre encerrado em agosto ficou em de 12,6% e foi a menor desde o trimestre encerrado em janeiro, quando estava também em 12,6%. Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados pela manhã pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ficaram no piso das estimativas coletadas pelo Projeções Broadcast. Os números mostraram que o País ganhou 1,374 milhão de postos de trabalho em um trimestre, ao mesmo tempo em que o total de desempregados diminuiu em 658 mil pessoas.
A alta do dia foi ampla, atingindo praticamente todas as blue chips do mercado. A exceção foram os papéis da Petrobras, que perderam 0,63% (ON) e 0,23% (PN), em um dia de instabilidade do petróleo. Já Vale e siderúrgicas interromperam as correções e avançaram. Vale ON subiu 0,38%, enquanto Gerdau Metalúrgica PN ganhou 3,32%. Papéis do setor financeiro também contribuíram para o resultado positivo. Itaú Unibanco PN ganhou 0,86% e Bradesco PN subiu 1,42%. Ações do setor de papel e celulose, por sua vez, tiveram um dia de baixas, num movimento de correções após fortes lucros recentes, uma vez que o cenário permanece otimista para elas. Suzano PNA caiu 2,45%, maior baixa do Ibovespa. Fibria ON cedeu 0,70%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia