Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de setembro de 2017. Atualizado às 23h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

Notícia da edição impressa de 29/09/2017. Alterada em 28/09 às 20h59min

Índice que reajusta aluguel acumula queda de 1,45% em 12 meses

O IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) encerrou setembro em alta de 0,47%, taxa bem acima da registrada em agosto (0,10%) e mais do que o dobro da variação mensurada em setembro do ano passado (0,20%). No acumulado do ano, no entanto, o resultado ainda é de uma queda de 2,10% e, nos últimos 12 meses, -1,45%. A taxa serve de base de cálculo para renovação da maioria dos contratos de aluguel.
Essa elevação foi influenciada, principalmente, pela alta dos preços no setor atacadista, segundo o Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getulio Vargas). O IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo) passou de uma queda de 0,05% para um aumento de 0,74%. Um dos motivos é o peso da alta dos preços dos combustíveis (de 0,24% para 6,11%) no processamento dos bens para consumo.
Também houve impacto no subcomponente matérias-primas brutas, devido às cotações de algumas commodities (produtos primários com cotação no mercado internacional). Os destaques são bovinos (de 0,12% para 8,89%), milho em grão (de -2,48% para 6,63%) e soja em grão (de -1,75% para -0,06%).
Nos demais componentes do IGP-M, caiu a velocidade de correção dos preços. O IPC (Índice de Preços ao Consumidor) apresentou queda de 0,09% (ante uma alta de 0,33% em agosto), e o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção) teve variação de 0,14%, inferior ao resultado de agosto (0,40%).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia