Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de setembro de 2017. Atualizado às 10h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 28/09 às 10h07min

Magazine Luiza confirma preço da ação em R$ 65 em oferta

Os recursos obtidos serão destinados para investimentos em artigos de longo prazo

Os recursos obtidos serão destinados para investimentos em artigos de longo prazo


CLAUDIO FACHEL/ARQUIVO/JC
O Magazine Luiza confirmou que o preço das ações foi fixado em R$ 65,00 na oferta subsequente. Neste preço, segundo fontes, a demanda superou em duas vezes a oferta. Os papéis encerraram o pregão de quarta-feira (27) a R$ 68,05.
Segundo o fato relevante da empresa enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), os acionistas da oferta prioritária não participaram do procedimento de bookbuilding e não haverá procedimento de estabilização dos preços. O conselho de administração da varejista também aprovou o efetivo aumento do capital social em R$ 1,144 bilhão e a homologação da emissão de 24 milhões ações ordinárias.
Na distribuição primária serão 17,600 milhões de papéis e na secundária 6,400 milhões de titularidade de Luiza Helena Trajano Inácio Rodrigues, Onofre de Paula Trajano,Fabrício Bittar Garcia, Flávia Bittar Garcia Faleiros e Franco Bittar Garcia.
O novo capital social será de R$ 1,770 bilhão, dividido em 190.591.464 ações. As ações começam a ser negociadas na B3 na sexta-feira (29). O coordenador líder da oferta é o Bank Of America Merrill Lynch e outros coordenadores são o BTG Pactual, JPMorgan, Itaú BBA, Credit Suisse, BB Investimentos, Bradesco BBI e Santander.
Os recursos obtidos serão destinados para investimentos em artigos de longo prazo, como expansão da malha logística, tecnologia e desenvolvimento da plataforma digital, transformação das lojas existentes em pontos de venda e centros de distribuição, inauguração de lojas novas, e aquisição de empresas de tecnologia com atuação no segmento digital. Os valores também serão usados para otimização da estrutura de capital, incluindo pagamento de dívidas de curto prazo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia