Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de setembro de 2017. Atualizado às 09h45.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

Alterada em 28/09 às 09h47min

Conselho autoriza oferta pública de ações da Petrobras Distribuidora (BR)

O conselho de administração da Petrobras autorizou o protocolo de registro da oferta pública e de companhia aberta da Petrobras Distribuidora (BR) na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o pedido de adesão ao Novo Mercado, nível mais elevado de governança corporativa da B3.
O colegiado também aprovou a alienação de 25% a 40% de participação da Petrobras na BR. "A presente comunicação não deve ser considerada como anúncio de oferta e a realização da mesma dependerá de condições favoráveis dos mercados de capitais nacional e internacional", reiterou a empresa, em comunicado enviado à CVM.
A reestruturação da BR Distribuidora já havia sido aprovada por acionistas em Assembleia Geral de Acionistas da Petrobras Distribuidora no último dia 31 de agosto.
Faz parte da reestruturação societária um aumento de capital em R$ 6,3 bilhões e a cisão parcial da dívida com a Eletrobras e dos recebíveis detidos pela BR com outras sociedades do Sistema Petrobras.
Naquela ocasião, a BR informou que utilizou os recursos desse aumento de capital e de seu caixa de R$ 1,4 bilhão para efetuar a liquidação antecipada, em 31 de agosto, de dívidas com o Banco do Brasil, no valor de R$ 4,5 bilhões, e Bradesco, de R$ 3 bilhões, nas quais a Petrobras era garantidora.
Com esses mesmos bancos, a Petrobras contratou novas linhas de crédito com as mesmas condições de valor, prazo e custo originalmente pactuadas pela BR. "Assim, essas novas captações não apresentam impactos no endividamento líquido consolidado da Petrobras, nem no seu perfil", diz o comunicado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia