Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de setembro de 2017. Atualizado às 23h44.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

consumo

Notícia da edição impressa de 27/09/2017. Alterada em 26/09 às 20h08min

Um em cada cinco internautas compra em sites internacionais

Acessórios para tablet, celular e computador são os mais comprados

Acessórios para tablet, celular e computador são os mais comprados


/CARL COURT/AFP/JC
Adquirir produtos em sites internacionais já é uma tendência que está em crescente consolidação nos últimos anos no Brasil. Pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes lojistas (CNDL) indica que 22% dos internautas têm o hábito de comprar em sites do exterior.
Os itens mais adquiridos são acessórios para celular, tablet ou computador, como capas, películas, carregadores e pen drive (49%, aumentando para 65% entre os indivíduos das classes A e B), vestuário, calçados e acessórios como cintos e bolsas (42%, aumentando para 57% entre as mulheres), livros físicos ou digitais (20%) e artigos esportivos (19%, aumentando para 27% entre os homens).
O principal motivo citado por 76% dos consumidores para realizar compras em sites internacionais é o preço mais baixo dos produtos em comparação com os sites nacionais. Já a possibilidade de comprar produtos aos quais não têm acesso ou são difíceis de serem encontrados no Brasil foi um argumento mencionado por 53%; seguido da variedade de produtos, citado por 48%.
"De acordo com o estudo, a aceitação desse tipo de compra virtual está relacionada aos valores financeiros, que fazem compensar a espera do prazo de recebimento e os riscos envolvidos, além da grande oferta de produtos que nem sempre estão à disposição no mercado nacional", pondera o presidente da CNDL, Honório Pinheiro.
Os entrevistados apontaram também as desvantagens de se adquirir produtos por meio de sites internacionais. O prazo na entrega foi mencionado por 73%, outros 51% disseram não ter a certeza de que o produto será entregue, enquanto 48% citaram a possibilidade de apreensão da compra pela Receita Federal.
Mesmo que os preços chamem a atenção do consumidor, o segmento ainda esbarra na demora para receber o produto, o que é claramente um fator de desestímulo. "Outro fator que deve ser levado em consideração é a possibilidade de fraude. Se no Brasil ainda há pessoas que compram em sites duvidosos e são vítimas de golpes, o mesmo pode ocorrer com uma compra no exterior. É necessário redobrar a atenção e escolher bem o site, tendo em mente que os pós-vendas, como reclamações, trocas e devoluções, são mais difíceis de se resolverem", explica.
Os fatores levados em conta ao realizar uma compra em sites fora do Brasil são o sistema de pagamento seguro (29%), o fato de a loja ser conhecida (28%) e o depoimento de outros compradores (14%).
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia