Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 26 de setembro de 2017. Atualizado às 16h35.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 26/09 às 16h36min

BC: aumento do déficit em conta corrente em 2018 está em linha com retomada

O Chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, afirmou nesta terça-feira que a elevação do déficit em conta corrente esperada para 2018 está em linha com o crescimento econômico projetado. O BC estima déficit em conta de US$ 16,0 bilhões em 2017 e de US$ 30,0 bilhões em 2018.
Em grande parte, essa diferença se deve às projeções para a balança comercial. Com a economia em recuperação, espera-se que as importações aumentem em 2018, reduzindo o superávit comercial. As projeções do BC são de superávit comercial de US$ 61,0 bilhões em 2017 e de US$ 51,0 bilhões em 2018. "O superávit comercial, que deve ser recorde em 2017, vai para US$ 51,0 bilhões em 2018. Ainda assim, será o segundo maior da série", disse. "É natural que, com a recuperação da atividade, as importações subam."
No caso da conta de serviços, o principal destaque é a previsão de aumento do déficit em viagens, de US$ 13,5 bilhões em 2017 para US$ 17,3 bilhões em 2018. Também é de se esperar, conforme Rocha, um aumento na remessa de lucros e dividendos de 2017 para 2018 - de US$ 23,0 bilhões para US$ 25,5 bilhões, conforme as projeções do BC. Isso também estaria ligado à melhora da atividade, com as empresas tendo mais espaço para remeter ganhos.
No caso do Investimento Direto no País (IDP), as projeções do BC indicam saldo de US$ 75,0 bilhões em 2017 e US$ 80,0 bilhões em 2018. Neste caso, a melhora de um ano para outro estaria ligada à maior atividade doméstica, mas também aos projetos de concessão que estão em andamento.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia