Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de setembro de 2017. Atualizado às 20h40.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

25/09/2017 - 20h35min. Alterada em 25/09 às 20h40min

União Europeia diz que finanças da Grécia estão estabilizadas

O ministro da fazenda grego Euclid Tsakalotos (d) e chefe dos ministros de Finanças da zona do euro Jeroen Dijsselbloem no encontro sobre a situação econômica grega em Atenas

O ministro da fazenda grego Euclid Tsakalotos (d) e chefe dos ministros de Finanças da zona do euro Jeroen Dijsselbloem no encontro sobre a situação econômica grega em Atenas


LOUISA GOULIAMAKI/AFP/JC
A União Europeia decidiu nesta segunda-feira finalizar os procedimentos disciplinares contra os déficits excessivos da Grécia, um sinal do progresso que o país fez para trazer ordem às finanças públicas.
Os procedimentos chamados de déficits excessivos são promulgados quando um país relata consistentemente um déficit maior que 3% do Produto Interno Bruto (PIB). Desde 2009 a UE havia submetido a Grécia a este procedimento.
A decisão é em grande parte simbólica, mas reflete uma maior confiança nas finanças públicas da Grécia, uma vez que Atenas não prevê um déficit superior a 3% do PIB há muitos anos. No ano passado, a Grécia apresentou saldo negativo nas contas públicas de 0,7% do PIB, em comparação com um déficit de 15,1% em 2009.
Ainda assim, a Grécia permanece sob o terceiro programa de resgate, que termina em agosto de 2018. Mesmo que seja bem sucedida em sair do programa de resgate, é provável que permaneça sujeita a um monitoramento adicional. A decisão deixa a França e a Espanha como os únicos países da zona euro sujeitos ao procedimento de déficit excessivo.
O chefe dos ministros de Finanças da zona do euro, Jeroen Dijsselbloem, pediu que a Grécia conclua "até o final do ano" o programa de revisão do resgate. "E o próximo passo, após a conclusão da revisão, será a saída da Grécia do programa de resgate", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia