Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de setembro de 2017. Atualizado às 18h25.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

combustíveis

Alterada em 25/09 às 18h26min

Preço do gás de cozinha está 15% abaixo da paridade internacional, diz Sindigás

O Sindigás, que representa as distribuidoras de GLP, estima que os preços praticados pela Petrobras na venda do produto para fins residenciais estão 15% abaixo da paridade de importação, o que, segundo a entidade, "inibe investimentos privados em infraestrutura no setor de abastecimento".
Em nota, o Sindigás afirma que o reajuste de 6,4% a 7,4%, dependendo do polo de suprimento, como anunciado pela Petrobras, "não repassa integralmente a variação de preços do mercado internacional". O reajuste foi comunicado pela estatal nesta segunda-feira, 25, e valerá a partir de amanhã.
Esse é o segundo aumento de preço do gás de cozinha, de 13 kg, nas refinarias da Petrobras que acontece neste mês. O primeiro foi de 12,2%, no dia 6, provocado pelos efeitos do furacão Harvey, nos Estados Unidos, que mexeu com as cotações dos derivados de petróleo no mercado internacional. Dessa vez, a Petrobras atribuiu o reajuste aos baixos estoques e à proximidade do inverno no Hemisfério Norte, quando a demanda pelo GLP aumenta.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia